Importância de Alexandria na história do Hermetismo

Um pouco sobre a história do Hermetismo e como a cidade de Alexandria (principalmente sua biblioteca) foi importante para esta área de conhecimento.

Importância de Alexandria na história do Hermetismo

Buscando mais referências sobre a história do Hermetismo e suas origens, encontrei um livro maravilhoso, com linguagem mais acessível (especialmente para iniciantes). É o livro The Hermetica: The Lost Wisdom of the Pharaohs (English Edition)” – Disponível na Amazon.

O livro não tem versão em português, o que na verdade é uma pena. Ver a pobreza de referências sobre o tema no nosso idioma é lamentável.

Quem busca estudar o Hermetismo além do Caibalion (que é apenas um bom início, mas de longe traz todo o conhecimento), acaba tendo que buscar em referências estrangeiras.

Então, eu trago hoje para você um pouco da História do Hermetismo que pude “saborear” desta excelente obra.

As origens do Hermetismo e a importância de Alexandria

As origens iniciais do Hermético estão envoltas em mistério, mas as evidências sugerem que ele é um descendente direto da filosofia antiga dos egípcios.

No entanto, as poucas obras sobreviventes atribuídas a Hermes não são escritas em hieróglifos egípcios antigos, mas em grego, latim e copta. Eles foram coligidos na cidade de Alexandria, no Egito, durante o segundo e o terceiro séculos dC.

Aqui, a filosofia hermética ajudou a inspirar algumas das maiores realizações intelectuais do mundo antigo. Alexandria foi um grande centro de aprendizado, superando até Atenas.

Seu fundador, Alexandre, o Grande, havia conquistado e unido Grécia, Pérsia, Egito e Índia em um vasto império. Culturas que cresceram mais ou menos de forma independente foram reunidas, e não havia maior caldeirão de conhecimento que Alexandria.

Nesta nova “Cidade Universal ” viveram homens e mulheres de todas as raças e nações. Gregos, judeus, egípcios, babilônicos, fenícios e até budistas da Índia se uniram em relativa paz.

Os alexandrinos eram famosos por sua sede de conhecimento e, sob o governante grego iluminado Ptolomeu I, havia uma biblioteca e um museu , fundados onde o seres humanos coletaram sistemativamente a sabedoria do mundo.

A biblioteca de Alexandria

No auge, a biblioteca de Alexandria abrigava meio milhão de pergaminhos. Isso incluiu os trabalhos de Euclides, Arquimedes e o astrônomo Ptolomeu, que dominaram as esferas da geometria, matemática e geografia, respectivamente, até a Idade Média.

Continha a pesquisa de Aristarco de Samos, que havia mostrado que a Terra é um dos planetas que orbitam o sol, e Eratóstenes , que havia calculado a circunferência da Terra em alguns por cento.

Os cientistas da biblioteca sabiam da precessão dos equinócios e que a lua era responsável pelo ritmo das marés. Alexandria também era rica em conhecimento esotérico, como pitagorismo, oráculos, caldeus, mitos gregos, filosofia platônica e estóica, judaísmo, cristianismo.

A idade de ouro de Alexandria chegou ao fim com o nascimento do intolerante Império Romano Cristão. Apesar da sofisticação e das realizações culturais dos antigos, os cristãos se referiam a eles com desprezo como “pagãos”, o que significa “habitantes do campo”.

História do Hermetismo Alexandria

Hipátia de Alexandria

Em 415 EC, Hypatia, um dos últimos grandes cientistas e filósofos pagãos que trabalhava na biblioteca de Alexandria, foi tomada por uma multidão de cristãos, que removeram sua carne com conchas de vieiras e queimaram seus restos mortais.

Seu líder, o bispo Cirilo, foi posteriormente canonizado São Cirilo. A grande biblioteca foi finalmente destruída como tanta superstição pagã, e essa riqueza de conhecimento foi espalhada aos quatro ventos.

O imperador romano cristão Teodósio fechou os templos pagãos em todo o império e começou o fenômeno anteriormente desconhecido da queima de livros.

E então, o que achou do texto sobre um pouco da história do Hermetismo? Se quiser conferir obras sobre o Hermetismo para ler além do Caibalion e aprofundar-se no assunto, indico nosso artigo: Livros sobre Hermetismo para ler além do Caibalion.

Fonte consultada: livro The Hermetica: The Lost Wisdom of the Pharaohs (English Edition).

Sobre o autor | Website

Estudiosa de Hermetismo, Alquimia, Tarô e Cabala. Interesse especial em Iconografia Alquímica. Idealizadora da Página Hermetismo e Alquimia, do Grupo de Estudos Herméticos conteudista do Projeto Mulheres da Magia.

Entre para nossa lista VIP e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

100% livre de spam.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!