Simbolismo dos animais na Tradição Alquímica – Parte 1

Simbolismo dos animais na Tradição Alquímica – Parte 1

A alquimia, como eu a percebo, é uma tradição espiritual, um meio de explorar nosso espaço interior e as camadas que revestem a essência preciosa de nossa alma mais íntima. É um caminho, um método prático para investigar a substância do nosso ser, meditando sobre processos químicos.

Os alquimistas trabalhavam com suas réplicas, aquecendo, calcinando, sublimando, destilando substâncias, observando o tempo todo as transformações em seus experimentos. Eles usaram eventos em seus experimentos como imagens para meditações, formando mantras visuais a partir de mudanças químicas.

Os alquimistas refletiram e espelharam esses eventos externos em seu mundo interior. Eles viam os processos em seus frascos como uma interação e ligação do espiritual e do material. O espírito se levantou, separando-se da substância no fundo de seus frascos e descendo novamente para espiritualizar o material em uma essência ou tintura.

Simbologia dos animais na Alquimia

À medida que os alquimistas refaziam essas experiências em suas almas, desenhavam paralelos com o maior laboratório da Natureza. Eles viram o trabalho dentro de seus frascos como uma espécie de microcosmo da natureza macrocósmica. As energias vivas e os seres da Natureza foram metaforicamente atraídos para suas réplicas, quando começaram a visualizar os processos alquímicos vivos através de símbolos de animais.

Por exemplo, um sapo preto era uma boa imagem para a massa negra de substância digerida no balão, enquanto uma águia branca era uma maneira bonita de descrever o vapor ou vapores brancos que subiam no colo do balão a partir da substância sendo aquecido abaixo.

Gostaria apenas que considerássemos alguns dos mais importantes desses símbolos de animais. Os alquimistas eram, é claro, individualistas que trabalhavam sozinhos, em vez de serem membros de sociedades ou ordens secretas; apesar de seus escritos serem resultado de suas próprias experiências, as metáforas dos animais se desenvolveram rapidamente em uma linguagem universal.

Nos séculos anteriores à invenção da impressão, manuscritos alquímicos importantes, geralmente com belas ilustrações iluminadas, circulavam amplamente. Obras como a Aurora Consurgens (atribuída a Thomas Aquinas), a Buch der Heiligen Dreigaltigheit, as obras de Ramon Lull, Roger Bacon, Arnold de Villa Nova, existem em muitas coleções de manuscritos desse período e, com essa troca de idéias, são bastante coerentes.

Um conjunto de metáforas surgiu na tradição alquímica européia. Foi a coerência e a universalidade desse conjunto de símbolos alquímicos que levaram Carl Jung ao conceito de inconsciente coletivo. Os alquimistas, embora realizassem seu trabalho interior de forma independente como indivíduos, encontraram no seu interior uma linguagem coerente de símbolos.

Os animais e as cores

No centro disso estava a visão de um processo alquímico ocorrendo através de um ciclo de mudanças de cor, de uma escuridão inicial à perfeição da quintessência. O alquimista previa que cada etapa do processo fosse anunciada por uma mudança de cor e um encontro com certos animais.

  • Escurecimento – Corvo Negro, Corvo, Sapo, Massa Confusa.
  • Clareamento – cisne branco, águia branca, esqueleto.
  • Esverdeamento – Leão Verde.
  • Ciclagem rápida através de cores iridescentes – cauda do pavão.
  • Pedra branca – unicórnio.
  • Vermelhidão – Pelicano alimentando jovens com seu próprio sangue, galo.
  • Transmutação final – Fênix que renasce do fogo.

A fase de escurecimento, que normalmente marca o início do trabalho, foi provocada pelo aquecimento da prima matéria no processo de calcinação (o “caminho seco” dos alquimistas) ou pelo processo de putrefação, que é o apodrecimento lento ou digestão durante um período de semanas ou meses (a chamada “via úmida”).

O Corvo Negro ou o Corvo eram frequentemente associados a essa calcinação, pois, com aquecimento vigoroso, o material calcinado normalmente carbonizava e as camadas se desintegravam e se moviam como as asas de um corvo no frasco. O Sapo era um símbolo melhor da Putrefação, a massa decadente pulsando lentamente e mudando à medida que os gases eram emitidos, enquanto a substância apodrecia até uma massa negra.

Corvo Alquimia

Outro símbolo desse estágio era o dragão, um habitante familiar dos frascos alquimistas. O dragão é, no entanto, um símbolo mais complexo e também é usado quando alado como um símbolo para a espiritualização da substância terrestre. Assim, para os alquimistas, o dragão aparece no início e no final do trabalho.

Os alquimistas compararam essas experiências em suas almas como uma retirada para a escuridão de seu espaço interior, uma escuridão repleta de possibilidades. Em grande parte, perdemos o senso que ainda vivia nos alquimistas medievais e renascentistas, de que essa escuridão continha todas as potencialidades.

Como crianças, tememos o escuro, e durante o século XX a escuridão da humanidade costuma ter apenas um pavor existencial — os filósofos da ciência nos trouxeram na última década essa imagem terrível do ‘Buraco Negro‘ que engole e aniquila tudo o que entra em sua órbita .

Talvez não olhemos o suficiente para a escuridão dos céus. Pois se olharmos profundamente na escuridão do espaço em uma noite clara, sentiremos mais estrelas escondidas entre as conhecidas estrelas visíveis, especialmente nos vastos campos estelares da Via Láctea.

O espaço cósmico está repleto da possibilidade de outros mundos ainda não vistos. É essa imagem da escuridão que devemos tentar recuperar se quisermos nos tornar alquimistas. Um eco disso talvez permaneça na frase frequentemente usada “uma profunda escuridão“.

Na alquimia, encontrar o corvo negro é um bom presságio. Assim, no Casamento Alquímico de Christian Rosenkreutz, quando nosso herói inicia sua jornada de transformação, ele se encontra com um Corvo que, por sua vez, decide que, dentre os vários caminhos abertos a ele, aquele o levará ao Castelo do Rei. Por isso, encontrar o corvo negro é um bom presságio.

Por Adam McLean

Continua na parte 2.

Sobre o autor | Website

Estudiosa de Hermetismo, Alquimia, Tarô e Cabala. Interesse especial em Iconografia Alquímica. Idealizadora da Página Hermetismo e Alquimia, do Grupo de Estudos Herméticos conteudista do Projeto Mulheres da Magia.

Entre para nossa lista VIP e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

100% livre de spam.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!