Uma crença limitante é apenas uma crença e não a realidade

Sabe o que determina os eventos da sua vida? Sabe o que determina a sua realidade? São as suas crenças, ou seja, aquilo que você ACREDITA.

Hoje vamos falar sobre crença limitante, as tais histórias que aceitamos como verdade incontestável e que está, neste momento, criando a sua realidade.

O que é uma crença limitante?

O dicionário Aurélio diz que crenças são opiniões adotadas com e convicção. Desse modo, crença limitante é aquilo que você tem como certo, que você tem convicção, mas que o conteúdo disso o limita de diversas formas.

Existem crenças limitantes que nos impedem de ter prosperidade financeira, de ter relações saudáveis, de ter saúde, dentre outras coisas.

O nosso sistema de crenças deve ser composto de opiniões, conceitos e verdades que, em vez de nos colocar no chão, derrotando-nos; nos coloque para cima, elevando nosso potencial.

E de onde vem essas crenças? Em que momento elas se instalam no nosso subconsciente funcionando como um programa mental que bloqueia nosso sucesso em diversos segmentos da vida?

Desde nossa infância escutamos/ recebemos informações de todos os tipo. Como crianças, somos como papel em branco, pronto para receber as informações que vão definir nossas vidas.

Escutamos dos nossos pais, professores e outros adultos frases, bordões e histórias que, repetidas diversas vezes, são introjetadas na mente acarretando diversos prejuízos na vida da pessoas.

Crenças limitantes comuns

Vejamos alguns exemplos de crenças limitantes:

  • dinheiro não cai do céu;
  • nasceu pobre, vai morrer pobre;
  • homem/ mulher não presta;
  • rico não vai para o céu;
  • dinheiro é ruim;
  • você é burro;
  • nunca vai conseguir ninguém;
  • tem que ser magro para ser aceito;
  • o mundo é perigoso;
  • não consigo aprender nada;
  • não tenho tempo para nada;
  • não é possível ser feliz ou ter sucesso fazendo o que ama;
  • o mundo está em crise, por isso tudo está difícil para mim;
  • não consigo me organizar;
  • dinheiro só vem com muito suor.

E por aí vai. Essas são apenas algumas crenças que sustentam a vida de muita gente, causando muito, muito estrago. Pois eu digo a vocês: crenças podem parecer, mas não são a realidade.

Não é porque seu pai falou. Não é porque o professor, o padre ou o pastor disse. São pseudo verdades, algo que você acredita com tanta convicção e há tanto tempo que acha que é verdade.

E vocês já sabem, né amigos… aquilo em que colocamos nosso foco, vira o que? Realidade!

Se você acha que a crise econômica no Brasil é que impede seu sucesso, suas conquistas.. sinto muito, pois vai continuar impedindo. Amparado nessa crença, você sempre estará em crise.

Se você traz desde criança a certeza de que “é burro”, que não tem capacidade de aprender nada, assim vai continuar sendo.

É muito sério esse negócio de crença limitante. Elas criam bloqueios que nos impedem de ter uma vida plena e realidade. É preciso se livrar delas, limpando-as e criando um novo sistema de crenças que favoreça nosso crescimento.

É fácil limpar as várias crenças que possuímos e estão aí no paralisando? Depende.

Se você buscar ajuda e se comprometer com isso, consegue sim eliminar as crenças que estão no seu subconsciente impedindo que tenha prosperidade financeira, relacionamentos melhores e saúde —  física, emocional e até mesmo espiritual.

Como limpar crenças limitantes? Veja abaixo algumas dicas de ferramentas que aconselho. Lembre-se de que é importante buscar ajuda com pessoas certificadas, ou seja, que tenham conhecimento da ferramenta para ajudá-lo.

Bom gente, por enquanto é isso. Espero que tenha ajudado um pouco a entender o que é crença limitante. Além das ferramentas para limpeza, é importante também termos em mente que nós podemos fazer o trabalho de identificação dessas crenças e ir substituindo-as por crenças fortalecedoras.

Ficou alguma dúvida? Compartilha com a gente nos comentários!!!

A sua frequência cria a sua realidade

frequência cria a sua realidade

É muito comum, principalmente desde o livro O Segredo, vermos a afirmação de que criamos a nossa realidade. Infelizmente, as pessoas tendem a banalizar tudo que “vira moda” e a verdade é que os conceitos e fatos apresentaram em O Segredo viraram.

Desde então, virou “papo de místico”. Muitas pessoas torcem logo o nariz quando falamos: “meu amigo, cuidado com o que você pensa, sente e fala o tempo todo, pois isso determina a sua realidade“.

A questão é que, sendo moda ou não, isso é o que realmente acontece. Não dá para fugir. Somos energia e sintonizamos energias que estão por aí e são iguais a nossa.

Usando um exemplo bem simples: você quer ver a novela da globo, não é? Você não conseguir fazer isso colocando no canal do SBT. Da mesma forma, se você quer prosperidade, você não vai encontrar isso se só emana falta e carência, se só reclama do que não tem.

Sua frequência cria a sua realidade

Nós somos verdadeiras antenas de recepção de energia. Emanou, vem. Pensou e sentiu, criou. Isso acontece graças ao campo eletromagnético, no qual todos estamos inseridos.

Vejamos o que o professor Hélio Couto fala a seguir:

“Tudo é energia e tudo tem um campo eletromagnético. Todos somos feitos de átomos. Energia nunca desaparece. Só se transforma. Portanto, um campo energético é eterno. Isso significa que biologicamente podemos trocar de forma ‘n’ vezes, que continuaremos existindo na nossa energia inicial. Essa energia inicial contém toda a informação desde sempre. Tudo no universo é energia e informação. Essa energia emana informação e atrai informação. Da mesma forma que atrai mais energia. Na mesma frequência que emanou. Toda energia vibra numa determinada frequência.”

Isso é física, são fatos, é ciência. Portanto, não é “papo furado da nova era, dos místicos, do pessoal da autoajuda”. É eletro magnetismo.

Se você está aí, querendo que sua vida melhore e não entende porque nada dá certo, vamos rever o que está emitido todos os dias, o tempo todo.

Nossa Lidiane, mas isso dá muito trabalho. Como vou ficar o tempo todo me vigiando, observando se estou emitindo coisa negativa. Isso é muito chato!

De fato nós pensamos assim porque estamos acostumados, desde há muito tempo, com a entropia psíquica; que é nada menos que a desorganização energética.

Nas palavras do Hélio, entropia é simplesmente “viver inutilmente”. É a perda de energia e a desorganização decorrente disso. Em Física se diz que o universo tende para a entropia, ou seja, para a desordem. Para que haja neguentropia, que é a ordemm é preciso que alguém coloque energia e inteligência num objetivo determinado. (1)

Se a tendência é a desordem — pensamentos negativos do tipo: a vida é uma porcaria, nada dará certo, crimes, assaltos, desemprego, falência, perdas, fome, doença, miséria etc, — como vou colocar tudo isso em ordem?

“Para evitar isso é preciso colocar energia no processo. Isto é, conscientemente pensar em objetivos positivos 100% do tempo. Foco e concentração no que se deseja que aconteça.” 

Não adianta gente, temos que ter em mente que existem Leis e que nós precisamos nos alinhar a elas. Pensando em termos de eletro magnetismo, é isso mesmo, não tem outra solução.

Você atrai o que sua frequência emana. Tá na frequência do amor, da alegria, da gratidão, da prosperidade? Ótimo, a vida fica uma beleza, independentemente dos fatores externos. Você sai de uma frequência e entra em outra.

Vejamos um exemplo: você está aí, doido para arrumar um emprego. Está mentalizando, pedindo ao Universo, meditando, fazendo visualização e tudo mais.

Mas a sua frequência — sua atenção — está na inveja do vizinho que tem um emprego, está na briga com o outro que tem visão política diferente; sua atenção está no futebol, na novela…

Você está vibrando na frequência dessas coisas e não na frequência de receber. O emprego vem? Não. O que a gente quer realizar de bom estará sempre na frequência da alegria, da gratidão.

Leia também: Em qual paradigma você vive? Preste atenção, pois ele determina como é sua vida!

Enquanto a gente tiver xingando, pensando mal da filha dos outros, odiando, reclamando e se afundando em críticas; enquanto estivermos fazendo toda sorte de corrupção, vamos ficar lá em baixo, nas frequências em que nada de bom acontece.

E sabe o que é pior? Quando estamos nessas frequências, o campo eletromagnético continua atuando. Nós atraímos coisas, eventos, emoções e pessoas que estão em sintonia com essas coisas.

É por isso que muita gente diz que NADA na vida dela dá certo. Se formos analisar o padrão vibratório da pessoa, saberemos porque isso acontece.

Você pode me dizer que conhece pessoas boas, que com certeza devem ter a frequência elevada e mesmo assim elas passam por dificuldades.

Claro. E quem não passa? Mas, tenho certeza que essas pessoas passam de maneira diferente. Elas não se revoltam, não abaixam ainda mais a vibração. Elas passam pelo que tiverem que passar.

E o político, Lidiane? Ele está mentindo, roubando, tirando a merenda das crianças! E ele tem iate, apartamento, casas e mais casas etc.

Você acaso pode garantir que todas essas coisas traz felicidade para ele? Trazem paz? A menos que você só queira essas coisas independentemente do resto, tudo bem.

É preciso entender que as leis do Universo são imparciais. Elas funcionam independentemente se você é bonzinho ou não. A questão é que existem frequências que só quem trabalha no bem acessa.

Mas, conseguir apenas coisas materiais, qualquer um que focar na riqueza consegue. Muitos usam o eletro magnetismo para conseguir fortunas a troco de muita dor no futuro. Eles focam 100% da energia naquilo que querem.

Eles organizam o pensamento — ou seja, arrumam a bagunça mental — para aquilo que desejam. Mas, não se esqueçam que mais cedo ou mais tarde a conta vem. Tá atraindo coisa boa, que não vai prejudicar os outros? Fica na paz!

Tá enganando, roubando, mentindo para conseguir o que quer. Não se esqueça que mais cedo ou mais tarde, a conta vem. É por isso que muita gente tá aí na miséria. Essas pessoas estão pagando a conta de escolhas feitas lá atrás.

Outro ponto a se considerar é que estamos aí na entropia negativa há milênios. Para o campo eletromagnético não existe tempo-espaço.

Você pode receber hoje o resultado do que emanou ontem, mas também é possível que esteja recebendo a emanação de ações/ pensamentos/ sentimento de três mil anos atrás.

A questão é: orar e vigiar, como já dizia Jesus. Quer pedir? Quer receber? Vigie seus pensamentos e sentimentos. Vamos parar de jogar energia negativa o tempo todo para o universo. Quando mais tempo a gente perde fazendo isso, mas longe ficamos de mudar nossa frequência.

Porque você sabe, né? A gente é responsável por TUDO que faz. E, por isso, tem que pagar todo débito que contrai. Lembra-se da história do vaso chinês? Pois é: você chegou na minha casa, derrubou meu vaso chinês e ele quebrou. Você pediu perdão e eu, claro, perdoei. Mas, passa aqui o cheque para eu comprar outro vaso.

Bom, meu amigos, a mensagem de hoje é essa: vamos trabalhar e estudar para entender como tudo isso funciona. Só assim podemos ir melhorando diversos setores da nossa vida. Talvez não consigamos mesmo fazer isso de uma para outra.

Mas, de posse do conhecimento, já temos as ferramentas para trabalhar. Vamos vigiar nossas palavras, pensamentos, sentimentos. Vamos fazer uma limpeza na timeline do nosso Facebook, vamos filtrar os vídeos que assistimos.

Vamos nos cercar de coisas e pessoas que nos ajudem a elevar nossa frequência. Vamos desligar o futebol e a novela. Vamos nos divertir, sermos nós mesmos e tentar sorrir mais em vez de reclamar.

Desejo a todos uma boa transformação e não se esqueça: sua frequência cria a sua realidade. Paz e luz!

Não deixe de ler: Livro Vós sois deuses: o reino dos céus é, na verdade, o reino de nós mesmos

Pleiadianos: quem são eles e como estão nos ajudando

Contrariando a fama de que os ET’s são seres do mal, que querem tomar nossas riquezas naturais e extinguir a raça humana, os pleiadianos representam exatamente o contrário disso.

Hoje vamos falar dessas entidades coletivas (extraterrestres) que fazem parte do grupo de estrelas das Plêiades. Vamos mostrar o quanto esses irmãos são evoluídos e desejam nos ajudar no nosso estágio evolutivo.

Quem são os Pleiadianos?

Trata-se de seres de luz da quinta dimensão, que é a faixa vibracional do nosso Eu Superior. Eles são consciências superiores de muita sabedoria e estão vivenciando a energia do amor, que é característica da dimensão em que vivem.

A propósito, a quinta dimensão — também chamada de Plano da Verdade ou do Amor Incondicional — está acima da terceira dimensão, que é a que nós vivenciamos.

Os pleiadianos são conhecidos não só por sua sabedoria, mas por respeitarem profundamente nosso livre arbítrio. Eles consideram ele como uma Lei Sagrada.

Segundo o site Essência Cósmica, “eles se dizem nossos ancestrais pois doaram seu DNA para o surgimento da raça humana. São um Grupo de Seres Iluminados que se dispuseram a ajudar os terráqueos a alcançar um novo estágio evolutivo“.

O que são as Plêiades e onde está situada?

Trata-se de um grupo de estrelas situadas na constelação de Touro. São visíveis a olho nú e fazem parte de um aglomerado de 300 estrelas.

pleiadianos

Nelas reside uma civilização amorosa e pacífica, que são os chamados pleiadianos. Constantemente estão nos enviando mensagens, pois estão muito próximos de nós e possuem uma ligação especial com nosso povo.

Talvez isso se deva ao fato de que muitos doaram seus DNA’s para a criação da raça humana. Inclusive, há na Terra várias raças originárias das Plêiades, sendo os Maios os mais conhecidos.

O que os Pleiadianos querem nos dizer/ensinar?

Antes de sabermos o que eles querem nos passar, é importante salientar que se trata de seres elevadíssimos, puros e belos. Por estarem na frequência vibratória da quinta dimensão, não possuem aspectos psicológicos negativos comuns aqui entre nós.

Sendo assim, ira, inveja, cobiça, bloqueios, medo e traumas já foram há muito superados por eles. Segundo informações passadas por eles, estão à nossa frente no que se refere à conhecimento científico, cerca de 10 mil anos. Pode-se dizer que eles são o nosso futuro. É onde chegaremos na escala evolutivo.

Amparados no amor e na vontade de nos auxiliar, com muita compaixão os pleiadianos têm consciência das transformações que nosso Planeta está passando.

Uma das mensagens que eles nos trazem é de que as transformações devem ocorrer primeiro dentro de cada um de nós. Isso significa que devemos compreender quem somos e, só assim, a Terra estará também se transformando.

Como você pode notar — e perceberá ao longo dos textos deste blog — tudo nos leva ao autoconhecimento. Os irmãos de outras dimensões, de outros pontos do Universo nos trazem sempre a mensagem do amor, que devemos abandonar o egoísmo e buscar crescimento em todos os aspectos.

Vale destacar que eles adoram que surja oportunidade de ajudar e devem nos acompanhar na escala evolutiva por pelo menos nos próximo mil anos.

Mas, sempre de forma cooperativa, respeitando nosso livre-arbítrio.

Os Pleidianos são seres muito amorosos, amáveis, bem humorados e divertidos. Adoram que surja a oportunidade de trabalho, pois, além de permitir que eles ajudem irmãos mais novos na caminhada na terra também contribui para a sua própria evolução espiritual através do cumprimento da sua missão.
 
Além disso, segundo Lia Saphiro, eles “nos ajudarão a construir um novo arquétipo na medicina, na arte e na ciência da cura, evoluindo para um modelo vibracional, eletromagnético, holístico, onde se leva em consideração todos os aspectos multidimensionais, quântico e holográfico do ser humano”.

“Eles dizem que como todas as realidades não são sólidas e o futuro não está determinado, por ser apenas um número de probabilidades, que existe uma chance positiva para a Terra de voltar a restituir o seu propósito original e que essas mudanças não irão atingir somente ao nosso planeta, mas o nosso futuro, o nosso presente e todo o universo. Para eles um grande salto está prestes a acontecer e que nós iremos participar dele, mas que não estamos sozinhos porque muitas energias estão chegando ao planeta para participar desse grande projeto.” (Essência Cósmica)

Veja mais um pouco sobre nossos amigos pleiadianos segundo o site Cura e Ascensão:

“Os pleiadianos vivem em plena unicidade uns com os outros e são muito ligados a cura, a medicina natural, às forças da natureza e ao xamanismo nativo (foram eles que ensinaram aos chineses a técnica da acupuntura em torno de 4.500 A.C.).” 

Então, essas informação é uma introdução do que são e quem são nossos irmãos Pleiadianos. Em outras oportunidades falaremos mais sobre eles e suas mensagens para nossa evolução.

E você, já ouviu falar nos pleiadianos? Conta pra gente nos comentários!

Entenda o que é um salto quântico – Por Carlos Torres

Salto Quântico

O texto a seguir é do escritor e mensageiro Carlos Torres. É uma das melhores explanações sobre o tema que encontrei. Por isso, trouxe aqui para compartilhar com vocês.

Escutamos muito falar em salto quântico e, de fato, estamos nos aprimorando para que ele seja realidade em nossa caminhada. Na verdade, cada vez que estamos agregando informações e conhecimento estamos dando saltos.

Veja a segui como compreender melhor esse fenômeno, do ponto de vista filosófico e físico. Boa leitura!

Entendendo o que é um salto quântico

Salto quântico é quando os elétrons se aceleram afastando-se do núcleo e partindo para outra órbita diferente da anterior.

Na Física Quântica, quando uma partícula que está num determinado nível energético ganha uma quantidade extrema de energia ela salta para um nível mais alto. Esse salto é chamado de Salto Quântico.

Curiosamente quando o elétron salta de uma órbita para outra, ele não pode ser encontrado entre as órbitas no momento do salto. Nesse momento, o elétron está possivelmente numa outra dimensão invisível aos nossos olhos.

Já foi comprovado matematicamente que o elétron não pode estar entre dois níveis de energia no momento do salto. Isso mostra que a existência de universos paralelos é hoje uma teoria consistente e fundamentada pelo cientista Hugh Everett.

Possivelmente quando o elétron salta de uma órbita para outra ele está em outra dimensão. Num universo paralelo, o que demonstra que existe o desconhecido, o invisível o inatingível, agindo em nossas vidas.

O retorno dos elétrons às suas posições, desde que não tenham se desprendido do átomo, libera a energia recebida para realizarem o salto.

Essa energia é liberada na forma de fótons, o que ocasiona emissão de luz. Os elétrons das últimas camadas necessitam de pouca energia para saltar para as camadas mais externas, e seu retorno cria ondas mais longas.

Mas aqueles que estão mais distantes da fronteira do átomo, precisam de energia extra para completarem seus saltos rumo ao novo. Essa energia suficiente é a informação que a pessoa recebe, seja por emoção, seja por sentimento, seja por estudo ou conhecimento adquirido.

Leia também: A consciência é como luz na caverna de Platão

Todo aprendizado novo, principalmente os mais profundos e vibrantes, têm o poder de inflar os elétrons e fazê-los explodir como micros foguetes e decolar para outra órbita.

As ondas de luz que os elétrons mais distantes fabricam vibram são vermelhas; enquanto isso, os elétrons que estão mais próximos do núcleo emitem luz com ondas mais curtas, aproximando do luz do violeta, púrpura ou ultravioleta —  cor imperceptível aos olhos humanos, raios X, gama, raio-x, dentre outros.

A razão dos elétrons mais próximos do núcleo necessitarem de mais energia acontece devido à atração entre a parte positiva do átomo (prótons do núcleo) e a parte negativa (elétrons).

Quanto mais próximo o elétron do próton, mais ele é atraído pelo núcleo, criando um efeito de blindagem contra os saltos quânticos e assim “exigindo” maior energia para que os saltos sejam realizados e o elétron se afaste do núcleo.

Neste momento os elétrons abandonam suas órbitas, em número sempre crescente desprendendo-se do núcleo, que não resiste à repulsão entre suas partículas formadoras e explode em entrechoques de altíssimas temperaturas.

Isso se chama salto quântico, o salto de elétron de uma orbita para outra. E quando algo assim acontece, o elétron nunca mais retorna ao seu estado anterior.

Explicação filosófica do Salto Quântico

O que estou querendo dizer? Isso significa que quando você aprende algo novo, você nunca mais retornará ao seu estado anterior, pois o que acontece no micro cosmo, acontece também no macro cosmo.

Nós somos espelhos do que acontece em nossos átomos, mas também do que acontece com as estrelas, planetas e galáxias. O que está em cima é igual ao que está embaixo, para manifestar os milagres de uma única coisa.

Informação é esclarecimento, e esclarecimento é o ato de clarear uma mente. Uma mente esclarecida se torna lúcida, ou seja, repleta de luz. Esclarecimento é o que elimina as sombras das nossas mentes.

Sombras são as nossas assombrações. Assombrações não são fantasmas que vem a noite nos atormentar. São sim, os nossos medos profundos, nossas angustias e desconhecimentos sobre a vida e a morte.

São as dores da alma, emanadas pelo egoísmo e pelo orgulho. Essas são as nossas sombras maiores que devemos vencer. E somente uma coisa é capaz de nos libertar dessas assombrações, a luz, o esclarecimento, o autoconhecimento e a revelação sobre os mistérios do mundo.

A vontade de sair do lugar comum e mergulhar no desconhecido. A disposição e a ousadia de conhecer os poderes que possuímos, mas teimam em continuar escondendo de nós toda essa sabedoria, a força infinita da gratidão e da compaixão. A luz maior que está iluminando rapidamente toda a humanidade a passos largos.

Meu objetivo como escritor e mensageiro é fazer exatamente isso: iluminar mentes e corações, pois dessa maneira meu propósito de vida estará sendo cumprindo e meu espírito se elevará cada vez mais à medida que o seu também se eleva. Por isso eu desejo a você, que está lendo este artigo agora, muita luz, gratidão e sabedoria.

Salto quântico são pequenas explosões de luz que acontecem dentro da sua mente. Luz esta, que vem para transformar sua vida completamente.

Abra-se para o novo e deixe tudo o que é velho ir embora. Um novo mundo está começando. Seja bem vindo a ele e a sua nova vida.

O salto quântico também é um princípio que está sendo utilizado nas ciências modernas através da nanotecnologia, da microeletrônica, da mecatrônica e das tecnologias de inteligência que serão aplicadas no futuro próximo, principalmente na implantação do próximo sistema operacional que mudará o mundo na próxima década: O Sistema Doors.

Escrito por Carlos Torres

A única linguagem que o universo entende é a vibração

linguagem que o universo entende

Desde que comecei a ler/ estudar sobre lei da atração, e mais recentemente Mecânica Quântica, vejo muito métodos, repetições, afirmações etc.

Longe de mim desacreditá-las. Mas, não devemos esquecer uma coisa muito importante: todas essas ferramentas, por si só, não produzem efeito nenhum se estiverem despidas de intenção.

Vamos entender o que isso significa? Então, vem comigo!

Por que a lei da atração não funciona para mim?

Muita gente pergunta isso. Elas seguem todas as orientações, fazem as afirmações, visualizações, rezas… mas, o pedido não vem.

Elas continuam atraindo o que não querem. Exatamente o que não querem! Que triste, não é mesmo?

O que acontece? Por que somente algumas pessoas se “dão bem” com a lei da atração? Que campo eletromagnético é esse que beneficia apenas alguns?

É muito simples: os métodos são apenas isso, métodos. Eles podem ser eficazes ou não. O fator determinante aí é a pessoa, ou melhor, a intenção da pessoa que está utilizando ele.

Sendo assim, eu poderia dizer que se você está na frequência certa, que é da prosperidade, da alegria e da abundância, não precisa de nada para atrair o que você deseja.

Você pode fazer afirmações? Pode. Visualizações? Pode. Carta ao Universo? Também. Na verdade, basta um pensamento.

Se a sua vibração está elevada, o campo eletromagnético faz com que você receba aquilo que está querendo sem a necessidade de mais nada.

O mesmo ocorre quado você está vibrando no medo. E na falta também. Não é necessário fazer nada para atrair eventos, pessoas, situações desagradáveis. Basta emitir essas vibrações.

É a lei, minha gente. É pura física. Pensou, manteve a intenção no pensamento/ sentimento? Vem até você.

Leia também: O que significa o Despertar Espiritual?

Basta um pensamento para criar

Quando dizemos que o Universo não entende palavras e sim vibração, fica muito claro. Somos todos feitos de ondas de energia.

O que emitimos com nossa vibração é a frequência em que estamos sintonizados. Ao enviarmos um pensamento, estamos fazendo nosso pedido no “restaurante” do Cosmos, como costumo dizer.

Se mantivermos a intenção, o foco e mais e mais sentimentos em relação a esse pensamento, chega uma hora que o garçom vem e entrega nosso pedido.

Mas, Lidiane, se isso acontece para o bem e para o mal, por que é tão difícil criar coisas boas e tão fácil criar as ruins?

Porque a nossa frequência está baixa. Vibramos na frequência do medo, da falta, da inveja, da doença. Sendo assim, o que temos que fazer para atrair o que queremos, com um só pensamento — como o Hélio Couto diz: pensou, criou — é elevar nossa frequência.

Se temos que investir em algo nessa vida é na limpeza de crenças limitantes. Elas criam bloqueios que nos impedem de acessar frequências mais elevadas.

Não vou dizer aqui para você como eliminar crenças limitantes. Mas, digo que é muito importante focar nisso. Existem profissionais — terapeutas, psicólogos — que trabalham com as técnicas corretas. O próprio Hélio Couto, com a Ressonância Harmônica.

Enfim, felizmente existem muitos colegas que estão preparados para nos ajudar na eliminação dessas crenças que atrapalham nosso crescimento, impedindo-nos de ascender e criar, de fato, a realidade que queremos para nós.

Espero que você entenda qual linguagem que o universo entende e foque agora não nos métodos, mas na sua frequência.

Se você acha que foi útil e pode ajudar outras pessoas também, não deixe de compartilhar nas suas redes sociais.

Paz e luz!

Escute a mensagem abaixo: ela tem tudo a ver com o post!

O gato de schrödinger e as infinitas possibilidades

gato de Schrodinger

Dando continuidade aos nossos textos sobre Mecânica Quântica e tentando simplificar ao máximo para o seu entendimento, vamos hoje falar sobre o famoso gato de schrödinger.

Mas Lidiane, o que é isso?

Esse nome difícil de escrever é algo mais simples de entender do que de escrever, acredite. E o entendimento disso abre muitas portas para que nossa compreensão das infinitas possibilidades seja maior. Então vamos lá?

Afinal, o que é o gato de schrödinger?

Segundo publicado em matéria da Super Interessante, “trata-se de uma experiência imaginária, na qual um gato, no papel de cobaia, está vivo e morto ao mesmo tempo“.

Antes que você se espante, não se preocupe com o gatinho, pois a experiência é imaginária. Então, vamos ficar tranquilos.

A hipótese concebida por Erwin Schrödinger tinha como objetivo mostrar como o comportamento das partículas subatômicas pode parecer ilógico se aplicado a uma situação fácil de ser imaginada, como no exemplo de um gato dentro de uma caixa fechada.

Na experiência, temos um gato dentro de uma caixa com partículas radioativas. Caso as partículas circulem, o gato morre. Se não, permanece vivo.

Temos duas possibilidades e, até que se abra a caixa para conferir, ele pode estar vivo ou morto, ou seja, até a interferência do observador as duas possibilidades são reais.

Esse é o mundo cheio de esquisitices da Mecânica Quântica, que analisa a realidade de acordo com as leis do mundo subatômico.

O que isso significa na vida prática?

Estamos chegando lá e você entenderá o que essa experiência quer dizer em termos de “vida real”.

Tudo está debaixo de possibilidades. Do ponto de vista da Mecânica Quântica, nada é certo (princípio da incerteza) e não existe determinismo — como a Física Clássica sempre afirmou.

O gato está vivo ou morto, a sua casa será comprada ou não, o emprego virá ou não, a dívida que você quer tanto pagar, poderá ser paga ou não.

Até que o observador colapse a função de onda (faça uma escolha), há apenas possibilidades.

O experimento mental do Gato de Schrodinger mostra que as infinitas possibilidades estão em aberto até que se faça o colapso da função de onda. Quando se escolhe uma das possibilidades. Então vira uma probabilidade. (Hélio Couto)

Ou seja, você pode ter um carro do modelo Astra ou Fox, mas até que você escolha qual deles quer, pode ser qualquer um deles. Escolheu, colapsou e sua escolha passa a ser uma probabilidade que se tornará real se for mantida.

Mais uma vez isso mostra o poder do observador de colapsar a função de onda. Como observadores, estamos colapsando o tempo todo.

Estamos escolhendo o tempo todo — o que queremos e o que não queremos também. Do ponto de vista mais filosófico, o que podemos tirar dessa experiência?

Filosoficamente falando…

Muitas vezes acreditamos que tudo está determinado. “Ah, a vida é assim“, “nasceu pobre, vai morrer pobre“, “é o destino…

O que eu entendo — e compartilho com vocês — é que se existem diversas possibilidades (infinitas, até), por que vamos nos travar no determinismo?

Até que eu resolva escolher o meu caminho, ele pode ter “n” direções. Eu não estou fadada a caminha só numa direção seja por qual motivo for.

A qualquer momento da nossa existência podemos fazer outras escolhas, criando nossa realidade de acordo com aquilo que desejamos ser.

Muitas pessoas podem não concordar com essas palavras. Eu não tenho todo o conhecimento físico para expor (e explicar aqui) a equação de Schrodinger e toda a matemática da coisa.

Mas, vejo claramente — e mais uma vez — não só a existência de uma realidade de possibilidades (e não de determinismo), mas a presença e importância de um observador, ou seja, da consciência.

Não dá importância à consciência é deixar de lado toda a experiência. Assim como no experimento da dupla fenda, a consciência — e não a matéria — surge como fator decisivo no colapso da função de onda.

Espero que tenha ajudado a compreender um pouco da experiência do gato de Schrodinger. Deixo claro sempre que essas são minhas percepções, fruto de meus estudos e pesquisas. Estou sempre aberta a novos conhecimentos, por isso, qualquer comentário será bem-vindo.

Quer ler mais textos sobre Mecânica Quântica? Veja:

Afinal, o que é Mecânica Quântica?

Entendendo o experimento da Dupla Fenda

O que é esse tal “efeito não local”?

Temos fé em nós mesmos?

fé em nós

Essa é uma pergunta muito profunda. Porque é comum termos fé nos outros. Constantemente temos fé nos nossos líderes religiosos, nos governantes, nas pessoas que admiramos, em Deus

Mas em nós? Por que é tão difícil acreditarmos no nosso potencial? Por que o trabalho de auto amor e a autoconfiança são tão desafiadoras?

Acredito que seja por causa das crenças que carregamos. Somos seres maravilhosos. O criador nos considera como sagrados, vê em nós todo o potencial que carregamos. Mas, nós, em contrapartida, estamos ilhadas nas crenças que nos paralisam desde a mais tenra idade.

Você já deve ter ouvido falar em crenças limitantes, não é mesmo? Pois são elas que nos fazem ter fé em tudo, menos em nós.

Crescemos ouvindo que não somos capazes. Escutamos as mais variadas histórias que limitam nossa capacidade. A escola está longe de a adequada para o despertar do nosso potencial.

Desde pequenos somos conduzidos ao lado oposto da evolução…

Como lutar contra isso? Ou melhor, como reverter isso? De fato, devemos fazer essa pergunta para que a resposta venha como ação.

Não podemos permanecer desse jeito. É urgente que tenhamos fé em nós mesmos, porque fazendo isso estaremos tendo fé no Criador, na Criação e na evolução.

 

Quando barramos nosso progresso, condenamo-nos a ficar na média, onde nada acontece. E é ai que vem toda variedade de sofrimento.

Só quem caminha, quem progride alcança todo seu potencial.

O que você quer na vida? Ganhar dinheiro? Encontrar um amor? Ter saúde? Sucesso?

Seja qual for seu desejo, ele encontra terreno fértil na nossa crença. Se sua crença te limita em vez de elevar, como poderá esperar alcançar algum progresso?

Acredite em si mesmo. Você é divino porque é feito da mesma substância do criador. Vós sois deuses.

Você deve estar se perguntando: mas como mudo minhas crenças?

Trocando-as por crenças construtivas. Se você não consegue fazer isso sozinho, existem inúmeras ferramentas, terapias que ajudam no processo.

A Ressonância Harmônica (RH), do Hélio Couto, é minha maior recomendação. A ferramenta, além de trabalhar limpando crenças e miasmas adquiridos não só nessa vida, atua na transferência de informações que possibilitam nosso crescimento em escalas inimagináveis.

Para saber mais sobre a RH, clique no link ao lado: https://www.heliocouto.com/ressonanciaharmonica

Quanto estamos dispostos a abrir mão do que somos em prol do que podemos ser?

Zona de Conforto

Queremos mudar, buscamos crescimento. Mas, quanto estamos dispostos a abrir mão da nossa zona de conforto em prol disso?

Quanto estamos dispostos a abandonar — pessoas, hábitos e coisas — para nos transformarmos em quem podemos ser?

Esses dias, assistindo a uma palestra da Mônica Medeiros, fui pega de surpresa quando ela fez essa indagação. E isso me trouxe muitas reflexões.

Zona de conforto x evolução

Um dos maiores empecilhos no caminho da evolução com certeza é nossa negativa em sair da zona de conforto. A maioria de nós, habituados a viver sob a influência de diversas crenças, na maioria das vezes reluta quando somos convidados a mudar.

A grande questão é que evoluir sempre vai nos colocar diante de mudanças. E então, estamos dispostos?

Quando nossa centelha divina começa a brilhar nossa vida vai, inevitavelmente, mudar. Para entrar em fluxo com o Todo, nós vamos ter que amar.

E cá para nós… não estamos acostumados a amar. É aí que a maioria recua e resisti. Temos medo de viver com base no amor.

Infelizmente, é preferível viver na dor, desde que não seja necessário amar. Assim, ficamos na nossa zona de conforto, mesmo que ela nos faça sofrer.

Quem é que nunca teve medo de arriscar-se em um novo empreendimento? Ou relacionamento? Ou viagem? Tudo o que é desconhecido costuma causar estranheza nas pessoas.

É por isso que a morte é tão horripilante para nós!

Ela é o maior “desconhecido” que as pessoas julgam. Ela só causa horror porque a pessoa não sabe — ou não acredita — que há vida após a morte.

Quando nossa humanidade finalmente crer que a morte é só uma passagem, sem sombra de dúvidas, não haverá motivo para temer.

E aí, tá disposto a abrir mão?

Eis a grande pergunta e que exige uma resposta à altura. Você quer saúde, felicidade, prosperidade, sucesso… tudo de bom. Mas, está disposto a trabalhar por essas coisas?

Você quer passar em um concurso público. Mas, está disposto a abrir mão do lazer, do futebolzinho no final de semana e da balada?

Você quer evoluir moralmente e espiritualmente. Está disposto a fazer as mudanças necessárias e enfrentar as forças opostas a essas mudanças?

Só você que sabe. A única coisa que posso dizer é que sem abrir mão da zona de conforto, permaneceremos no mesmo lugar. E se ele fosse bom, não estaríamos querendo mudar.

 

O Soltar e o Efeito Zenão: entendendo esses conceitos de forma simples

o soltar e o efeito zenão

Hoje vamos falar sobre dois assuntos muito conhecidos por aqueles que estudam Mecânica Quântica: o soltar e o Efeito Zenão. 

Além de serem muito conhecidos, geram bastante dúvidas na pessoas, que confundem o soltar com não fazer nada e acabam entendendo tudo diferente.

Então, resolvi pesquisar um pouquinho e tentar explicar de forma bem didática para ajudar a compreender melhor. Vamos lá?!

Afinal, o que é “o soltar”?

Muitas pessoas confundem esse conceito, mas como o Hélio Couto diz não é “não fazer nada”. É justamente o contrário. Vejamos um trecho publicado no blog dele:

Soltar não é deixar correr ou não fazer nada. É justamente o contrário. O conceito de ação através da não-ação precisa ser muito bem meditado para ser entendido. Já que esse conceito é um sentimento. Intelectualmente pode se pensar que é não fazer nada e esse é o perigo da inação.

O soltar é interno, é um desapego interno, filosófico, existencial. É uma visão de mundo completamente antagônica ao apegar-se ao mundo. É estar no mundo, mas não ser do mundo. (1)

O que podemos apreender disso?

O Soltar exige desapego. Por exemplo: você quer muito uma coisa. Pensar o tempo todo nisso, colocando pressão (ansiedade), paralisa o processo. É preciso desapegar-se para que as coisas aconteçam. Vamos ver exemplos práticos.

Estou desejando muito obter alguma coisa — um carro. O que devo fazer? Metalizar o carro todo dia, colocando ansiedade e repetindo o tempo todo “quero o carro”, “quero o carro”?

Não.

O que devo fazer é escolher o que eu quero — modelo do carro, cor, ano etc — e soltar. Não tem que ficar repetindo, lembrando todo dia, suplicando pra Deus, olhando na garagem se o carro aparece lá… nada disso. Se fizer desse jeito, coloca pressão no processo e acontece o Efeito Zenão (que vamos falar depois).

Quando eu solto eu me rendo ao Todo. Como diz o professor Hélio, o soltar é um ato de rendição ao Todo. Eu não vou simplesmente não fazer nada e esperar que “caia do céu”.

Eu vou focar em criar condições para que o carro venha. Do mesmo modo, se estou preocupando com um problema, de nada adianta ficar o tempo todo pensando: “ai meu Deus, como vou resolver?” “Nossa, que problema eu tenho“. “Ah, meu problema é muito grande!

Pensar o tempo todo naquilo cria foco no problema. A atitude é soltar e entregar, com a certeza de que as condições necessárias para que as coisas se resolvam — ou para que o carro venha — serão criadas por você ou por terceiros.

Enquanto você solta o problema, pode ir viver sua vida. Como o professor fala: vá se divertir. Assista um filme. Veja a novela. Vá passear com os amigos. Vá estudar. MUDE O FOCO.

Entregue e confie. Mas, lembre-se de que isso deve ser feito com sentimento sincero. Não adianta fingir. O campo eletromagnético responde à frequência do sentimento.

Por isso, é preciso estar em fluxo com o todo para que  soltar seja instantâneo.

o soltar e o efeito zenão

Soltar é um rendição

Compreendi melhor esse “negócio de soltar” quando o professor disse que se trata de uma “rendição do ego que se coloca a serviço do Todo“.

Vejamos o que isso quer dizer.

Se você tem ligação direta com o Todo, o soltar sempre vai parecer a coisa certa a se fazer. Isso acontece porque você tem completa confiança no fluxo de abundância do Todo.

A pessoa que se sente assim, que está unificada, sabe que não está sozinha e que, aconteça o que acontecer, não haverá escassez, pois o Todo é pura generosidade.

Lembro-me  que quando eu era mais jovem — nunca tinha escutado falar em Hélio Couto, Mecânica Quântica — usava o soltar e não sabia.

Se tinha algum problema, eu dizia: “Ah, não vou me preocupar, pois Deus proverá“. Assim eu não perdia noite de sono, nem perdia tempo me preocupando. E as coisas sempre se resolvia de um jeito ou de outro.

Isso é soltar. Não é simplesmente não fazer nada. É não focar na pressão. É entregar ao Todo. É o ego se render à vontade do Todo, porque sabe que ele tem todas as respostas.

Então, você solta o problema, o carro, a dívida, o relacionamento… você confia. E continua emanando alegria, gratidão, abundância. E você continua criando condições para que as soluções apareçam, ou seja, você foca na solução e não no problema.

Esta é a razão de parecer que se está falando “grego” quando se fala de soltar. Porque é tão difícil entender o conceito? E ainda mais aplica-lo? Porque é preciso primeiro esta rendição do ego. Rendição incondicional.

O Todo decide o que for melhor. E está bom assim. E neste ponto é preciso deixar claro uma coisa: todos os seres do universo tem de passar e passam por esta decisão. Não importa o nível de iluminação, de poder, de emanação, de prioridade na criação, desde o primeiro ser emanado até todos que estão sendo emanados agora e serão no futuro, todos se veem com este dilema existencial.

É preciso aceitar o Todo e render-se ao Todo. E isso acontece todos os dias, todos os minutos, todos os segundos de existência do ser emanado. No passado, presente e futuro. A decisão de render-se é contínua o tempo todo. Pois, o ego nunca deixa de existir. E o ego tem de optar sempre. (Hélio Couto) (2)

Onde entra o Efeito Zenão nisso?

Antes de mais nada, é preciso dizer que o Efeito Zenão é um processo quântico. Nas palavras do Hélio: ele ocorre quando a observação de um sistema impede que ele mude de estado, ao passo que, se ninguém estivesse observando, ele mudaria. 

Sabe o leite que a gente coloca para ferver? Quem nunca ficou intrigado com o fato de que, ao olhar ele não ferve nunca; mas basta mudar a atenção um minutinho e ele não só ferve, mas trasborda e faz aquele bagunça?

Pois é. Ficou olhando esperando ferver: ativa o Efeito Zenão, paralisando o processo. Tirou o foco, ou seja, soltou; o processo se desenrolou.

Todo apego cria um efeito Zenão, que paralisa o processo de manifestação do que se deseja. Quanto mais apego menos resultados temos. Por conseguinte, toda ansiedade paralisa tudo. Quanto mais força se coloca menos resultados. (Hélio Couto)

o soltar e o efeito zenão

A questão é que o ato de observar paralisa a realidade. Segundo informação no livro Negócios In-formados (Hélio Couto e Mabel Dias), demostrou-se em laboratório que observar o átomo de um elemento radioativo — sem interrupção —, faz com que ele fique nesse estado para sempre.

O decaimento nuclear que era esperado, não acontece. Não há transição de estados, ou seja, o ato de observar congela a realidade, impedindo as transformações que ocorreriam. Isso não é especulação. É física.

Então, quando você não solta, colocando ansiedade, paralisa. Ficou mais fácil entender?

A chave para entender o efeito Zenão quântico é lembrar que a cada observação ou medição, ocorre um colapso da onda quântica. Os sistemas em questão envolvem uma lenta transição de um estado para outro. Ao observar constantemente um sistema, provocam-se colapsos constantes para o estado inicial, e ele nunca completa a transição para outro estado.

Então, quando você quer resolver um problema e, em vez de tirar o foco dele, acaba colocando foco nele, impede que ele “mude de estado”, ou seja, que as transformações aconteçam.

A solução não vem. O carro ou apartamento, não vem. O grande amor, fica só no campo dos sonhos.

Inclusive, o Experimento da Dupla Fenda — que explicamos melhor no artigo: “Entendendo o Experimento da Dupla Fenda” — tem tudo a ver com soltar e Efeito Zenão.

Nesse experimento, ficou provado que todas as vezes que o elétron era observado incessantemente, ele ficava paralisado, inerte.

Mas, quando ninguém observava, ele não só se comportava como onda-partícula — era onda e partícula ao mesmo tempo —, mas sumia e aparecia em outro lugar e outros episódios característicos das esquisitices quânticas.

Conseguiu entender melhor?

Podemos dizer, trazendo para o lado prático da vida, que talvez seja o Efeito Zenão que tem impedido você esse tempo de realizar seus objetivos. Toda vez que você colocar dúvida e ansiedade, paralisa o processo. Toda vez que você solta, ele segue o fluxo.

Para finalizar, vou usar o exemplo do professor Hélio Couto que mais gosto para explicar isso tudo.

Quando você vai ao restaurante e pede um prato no cardápio, você deixa ele ir fazer o pedido na cozinha e espera ele trazer quando está pronto ou fica o tempo todo chamando o garçom dizendo:

Não, não.. espera aí. Não quero mais isso. Agora é outro prato.

Não estou muito certo se o cozinheiro vai fazer a comida.

Esses questionamentos podem até não impedir que a comida venha, mas com certeza atrasará em muito a hora do jantar.

Do mesmo jeito é com o Universo. Você pede um carro, apartamento ou a realização de qualquer objetivo mas coloca dúvida o tempo todo, fica colocando ansiedade. Desse jeito não funciona.

O melhor é soltar e se render totalmente à generosidade do Todo.

Gostou do nosso texto? Se quiser saber mais sobre Mecânica Quântica e acompanhar outros textos, convido você a curtir minha página no Facebook. Caso deseje participar do grupo no Whatsapp sobre Mecânica Quântica, acesse esse link e entre agora mesmo!

A consciência é como luz na caverna de Platão

Mito da Caverna e Mecânica Quântica

Em nossos estudos sobre a realidade do Universo, deparei-me com uma frase de Amit Goswami que chamou bastante atenção: “a consciência é como luz na caverna de Platão“.

Foi então que percebi as semelhanças da alegoria da caverna — formulada pelo Filósofo — com a Mecânica Quântica. Para quem não sabe, no Mito da Caverna de Platão nos convida a imaginar uma caverna na qual várias pessoas estão sentadas, sempre imóveis, de frente para a parede.

Elas estão lá desde o nascimento, amarradas, olhando para a parede ao fundo, na escuridão. No entanto, atrás delas há uma chama bem luminosa, que lança sombras na parede que eles estão olhando.

Entre as pessoas de costas e a luz, há outras que andam — exibindo objetos, movimentando-se —, de modo que as sombras delas e desses objetos sejam lançados na parede.

E as pessoas estão lá, olhando para a parede, sem poder olhar para atrás e acreditando que aquelas sombras são tudo o que elas possuem. Elas não conhecem mais nada senão as sombras refletidas.

Você deve estar se perguntando se, nessa alegoria, algumas pessoas não viram e olham o que há atrás delas. Sim. Um e outro aventureiro faz isso.

Mas, ao ver os objetos, a maioria dessas pessoas ficam tão fascinadas com a chama, ou confusa após tanto tempo confinado, que provavelmente se voltará novamente para a parede — que é a única realidade que conhece.

Interessante, não é mesmo?

Platão dizia que tudo o que nossos sentidos apreendem no mundo material não passa de imagens na parede da caverna, ou seja, sombras da realidade.

Mito da Caverna e Mecânica Quântica

Então vem a grande questão deste texto: o que o Mito da Caverna tem a ver com Mecânica Quântica?

No livro “O Universo Autoconsciente”, de Amit Goswami — que recomendo fortemente —, o autor relacionou sabiamente a alegoria da caverna com os conceitos do idealismo — que é o oposto ao realismo materialista, em que a consciência e não a matéria é fundamental.

Vejamos o que ele nos trouxe sobre essa questão:

O grande universo no lado de fora é um espetáculo de sombras projetadas na parede e nós, seres humanos, somos observadores de sombras. Vemos sombras-ilusões que confundimos com a realidade. A realidade autêntica está às nossas costas, na luz e formas arquetípicas que lançam sombras na parede.”

É uma comparação muito apropriada para a questão. A consciência, a luz; nós, os seres humanos; As pessoas e objetos entre nós e a luz movimentando e projetando sombras, representam a realidade arquetípicas; e as sombras as ilusão que julgamos reais. 

A luz — Consciência — é a única realidade e nós precisamos olhar para trás, ou seja, sair da zona de conforto para ver o que tem atrás, a verdadeira realidade.

Enquanto estivermos na posição dos humanos na alegoria da caverna de Platão imóveis olhando para a parede, a única coisa que estaremos vendo são as sombras-ilusões.

De fato, ao ver as sombras, percebemos a consciência, mas de forma limitada. Há interferências, há apenas uma ideia e em muitos casos, ha distorções. Mas, quando deixamos de perceber apenas as sombras-ilusões e viramos para ver o que há além do que estamos habituados, vemos o que é realmente real.

Tudo é consciência e ela é tudo o que existe!

Entendeu a relação entre Mito da Caverna e Mecânica Quântica?