Quem é Asclépio?

Você sabe quem é Asclépio? Se você é estudante do Hermetismo e leu o Corpus Hermeticum, saiba mais sobre esse personagem.

Quem é Asclépio?

Na Hermetica, ficamos sabendo que Hermes Trismegistus tem alunos. Os dois mais proeminentes são seu filho Tat e Asclépio. Mas afinal, quem é Asclépio? 

Além de ser uma figura da mitologia grega, Asclépio tem um livro inteiro da Hermética com o seu nome. Vamos saber mais quem ele é e entender por que é importante para a filosofia hermética.

Na mitologia grega

Para os gregos antigos, Asclépio (ou Asklepios Ἀσκληπιός) era o deus da medicina. Ele era filho de Apolo, que provavelmente é mais conhecido por ser uma divindade do Sol, mas também tinha domínio sobre a medicina. 

Ele era um curandeiro tão habilidoso que podia trazer pessoas de volta dos mortos. Outro relato afirma que ele aprendeu suas habilidades de cura com o centauro Quíron, que contava com muitos heróis gregos entre seus alunos, incluindo Jasão, Aquiles e Perseu.

Ele era tão bom em trazer pessoas de volta dos mortos que irritou Hades, rei do submundo e deus dos mortos. 

Hades reclamou com Zeus, e Zeus atingiu Asclépio com um raio. Em retaliação, Apollo matou todos os Ciclopes responsáveis ​​por forjar os raios de Zeus. 

Depois de algumas disputas, Zeus tirou Asclépio do submundo e colocou-o no céu como a constelação de Ophiuchus.

A vara de Asclépio

Cetro de Asclépio

A vara de Asclépio é uma cobra enrolada em um bastão, um símbolo que ainda hoje é associado à medicina e à cura. Existem muitas interpretações do símbolo, uma das quais pode vir da lenda da cobra que sussurrou sabedoria secreta no ouvido de Asclépio quando criança.

O Cetro de Asclépio é frequentemente confundido com o caduceu de Hermes, que é um bastão alado com duas cobras enroladas nele. Nem o caduceu nem a vara parecem ser muito importantes na filosofia hermética, embora sejam símbolos bastante comuns no hermetismo renascentista.

Imhotep, o médico e arquiteto

estátua sentada de imhotep

À medida que os gregos se moviam pelo mundo antigo, eles identificaram deuses estrangeiros com os seus próprios. 

Assim como Hermes foi combinado com Thoth, Asclépio fundiu-se com o deus egípcio Imhotep. 

Imhotep era um plebeu egípcio que provavelmente viveu por volta de 2650–2600 aC. Ele foi o arquiteto-chefe e médico durante o governo de Djoser. 

Ele foi provavelmente deificado pela primeira vez mais de mil anos após sua morte, e foi frequentemente identificado com outro arquiteto deificado, Amenhotep, filho de Hapu.

Imhotep é o suposto autor do papiro Edwin Smith. Este papiro é o tratado mais antigo conhecido sobre o tratamento de traumas. 

Ele contém 48 casos cirúrgicos de feridas e indica uma ampla experiência com fraturas e outras lesões que só poderiam vir de um lugar onde tais coisas eram comuns. Pelo menos um autor sugere que a construção das pirâmides seria o local ideal para obter esse conhecimento.

Esta é uma coincidência conveniente, porque Imhotep foi o arquiteto da Pirâmide de Djoser. Esta estrutura antiga era uma pirâmide de degraus e também a primeira pirâmide egípcia bem-sucedida. 

Sua construção foi concluída antes de 2600 aC. Por causa de sua durabilidade e sucesso, os historiadores antigos atribuíram a Imhotep a invenção da arquitetura de pedra.

Na Hermética

Asclépio

Tanto em Asclépio quanto no Corpus Hermeticum, ele aparece como aluno de Hermes Trismegisto. 

Em grande parte do Corpus Hermeticum , ele fica atrás de Tat, o filho de Hermes. No entanto, um dos livros mais importantes da Hermética foi batizado em sua homenagem: O Asclépio , ou “O Discurso Perfeito”.

Em Asclépio, aprendemos que o hermético Asclépio é na verdade um descendente do deificado Asclépio-Imhotep. Enquanto Hermes explica a natureza dos deuses, ele diz:

Seu avô, Ó Asclépio, foi o fundador da medicina, a quem foi consagrado um templo na montanha da Líbia, perto da Costa dos Crocodilos, onde se encontra sua parte terrestre, isto é, seu corpo. […] Pois agora, por meio de seu espírito divino, ele ainda fornece aos enfermos todo tipo de auxílio que antes utilizava pela arte da medicina. (Asclépio 37)

Ele também aparece nos livros II, VI, IX e X do Corpus Hermeticum.

A inclusão de Asclépio na Hermética é muito interessante. Esta foi apenas uma breve introdução ao personagem. Não conseguimos cobrir todas as conexões entre o curandeiro grego, o arquiteto egípcio e as complexidades de suas mitologias e culturas. Há muito mais para explorar no mundo de Asclépio.

Sobre o autor | Website

Estudante de hermetismo e esoterismo, compartilho com você material, referências e reflexões dos meus estudos nessas áreas.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe um comentário

*

Seja o primeiro a comentar!