Princípios da Alquimia: Mercúrio, Enxofre e Sal

Conheça os três princípios da Alquimia, a trindade, a tria prima de Paracelso: Mercúrio, Enxofre e Sal. O que eles são e sua importância.

Princípios da Alquimia: Mercúrio, Enxofre e Sal
0
(0)

Também conhecidos como a “Tria Prima de Paracelso“, os princípios da alquimia são: Mercúrio, Enxofre e Sal.

Além da referência aos quatro elementos na alquimia e da quintessência (sendo o quinto), esses princípios são de muita importância no estudo da Arte Régia.

É preciso compreender, antes de tudo, que não se tratam das substâncias mercúrio, enxofre e sal em si. Mas, de formas espirituais atuantes.

Se você está estudando alquimia e simbolismo alquímico, vai ser de grande valia entender o que esses princípios representam. Sem contar que ter conhecimento do que eles são é fundamental para avançar nos estudos sobre alquimia. Eu diria, até, que é essencial.

Por essa razão, trouxe neste artigo o básico que você precisa saber sobre os Princípios da Alquimia, a trindade alquímica.

A Tria Prima ou Três Essenciais de Paracelso

No início dos meus estudos sobre alquimia, tive certa dificuldade em compreender todas as menções a esses princípios em toda a literatura e simbolismo.

Foi então que notei a importância de compreender o que são, de fato, o Mercúrio, o Enxofre e o Sal na alquimia. Já sabemos que não se trata das substâncias em si. Mas afinal, o que eles representam?

Basicamente, a tria prima é reconhecida como alma, espírito e corpo. Parece simples à primeira vista, mas pode ser complicado, de início, compreender esses princípios em termos alquímicos.

E garanto: uma vez que você compreendê-los, o estudo fluirá melhor, principalmente no que se refere ao trabalho com emblemas alquímicos.

Antes de falar sobre cada princípio, é primordial lembrar que o alquimista, no seu trabalho, ao separar qualquer substância, tem como objetivo inicial revelar os três materiais básicos, que são: Sal, Enxofre e Mercúrio.

Essa separação os ajudou a chegar ao entendimento de que toda matéria tem como origem uma “fonte única” (Prima Matéria), composta pelos mesmos elementos básicos.

Princípios da Alquimia

Além dos três princípios, os quatro elementos também fazem parte da construção dessa matéria prima.

Toda semente é tríplice, ou melhor, contém três substâncias misturadas, já que tudo o que existe na semente está junto e não dividido. Por isso a semente representa a própria junção da unidade. Assim, quando encontramos madeira, cortiça e raízes em uma noz, compreendemos que, apesar dessas três coisas estarem efetivamente presentes, a realidade da semente faz com que essas três coisas pareçam unidas.” (1)

Mas por que Enxofre, Mercúrio e Sal?

Talvez você esteja se perguntando: por que esses termos? Por que não usar as terminologias alma, corpo e espírito, ou seja, para os princípios da Alquimia?

Esses termos ― Mercúrio, Enxofre e Sal ― são apenas “códigos” usados para definir o espírito, a alma e o corpo das substâncias.

É necessário responder que é certo que alguns filósofos afirmam que a Obra se faz de três coisas: o espírito, o corpo e a alma extraídas de uma só.” (2)

Sabemos que no passado, os praticantes da alquimia eram perseguidos e discriminados. Por essa razão, os manuscritos tinham linguagem codificada para ocultar o verdadeiro significado das informações.

Enxofre

O Enxofre alquímico é a alma de qualquer material. Vou mais longe: é a consciência da matéria.

É o princípio ardente, ativo, solar, masculino que dá a uma substância suas propriedades ativas em relação a outras subtâncias. Na Alquimia, geralmente está associado ao Sol e ao Rei.

Segundo Paracelso: “Quem não conhece o Enxofre não sabe nada e não pode realizar nada, nem da medicina, nem da filosofia, nem nenhum dos segredos da natureza.”

Devido à sua força expansiva, foi utilizado na alquimia para operações como evaporação e dissolução. Não é à toa que é a expressão do princípio masculino, a polaridade solar.

A alma, ou o Enxofre alquímico, é a causa atuante de uma alma individual. Em outras palavras, ela é necessária para que exista a individualidade.

A alma é a causa atuante, mas que causa é essa? A consciência. Considerada a verdadeira Prima Matéria dos alquimistas, ela é a centelha da vida.

Tudo o que você conhece ― planta, rocha, mineral, você ― tem consciência, e ela é a causa atuante de toda expressão de vida. O fato de você existir como ser individualizado se deve à ela ― a consciência, que é a alma.

S. Trismosin, Splendor Solis

Na imagem, os Três Essenciais são retratados como três dragões compartilhando um corpo dentro de uma réplica de vidro. No final do trabalho, os Três Essenciais estão unidos.

Na alquimia, a participação do Enxofre é traduzida pelo Elemento Fogo. No Simbolismo Alquímico, é representado pela salamandra e pela Fênix e é, muitas vezes, chamado de azufre.

É figurado por um triângulo sobre uma cruz, representando o Fogo sobre os quatro Elementos.

O artista deve conhecer bem o enxofre, que é a base de suas operações; e deve ajudá-lo e ao Mercúrio, prisioneiros de Saturno. Só então o Menino se poderá manifestar.” (3)

As palavras são de Julius Evola, no livro “A Tradição Hermética”, podem parecer confusas de entender, dado o simbolismo codificado da Alquimia.

Mas o que ele quer dizer é que como base de todas as operações, Enxofre e Mercúrio, sendo Alma e Espírito, devem unir-se para que seja possível o nascimento do Menino, o Filho Filósofo, que é o novo ser, a Consciência Purificada.

Mercúrio

Nas obras alquímicas, o Mercúrio é o Espírito das coisas, sejam elas vegetais, metais ou psicológicas. Tendo Espírito como a parte não-física de uma pessoa, sede de suas emoções e caráter.

Entende-se como Mercúrio a parte de qualquer material que organiza o Logos, que existe inerentemente na Consciência, que é nosso Enxofre alquímico.

De acordo com os gregos, Logos era considerado um diálogo divino que Deus tinha dentro de si. Desse modo, podemos notar que Mercúrio e Enxofre estão bastante ligados, sendo a Mente e a Consciência agindo como “uma” para manifestar a natureza.

Entretanto, Mente aqui não assume a posição de ego, e sim a Mente que organiza o Logos, que age para manifestar a natureza.

O Mercúrio é o princípio aguado, passivo, lunar, feminino que representa a essência oculta e fonte criativa de vida que existe em todas as coisas. No simbolismo alquímico, geralmente está associado com a Lua e a Rainha.

De acordo com alguns autores, o Mercúrio é um elemento específico comum a todos os metais, como se fosse uma semente primeira da qual se original várias espécieis de minérios.

A concordância entre eles é que trata-se de um dissolvente conseguido através de manipulações especiais, capaz de penetrar o centro da matéria primeira, libertando o elemento sulfuroso que está contido em seu interior, ao qual eles denominam alma, melhor dizendo o Enxofre.” (4)

Para os alquimistas, esse Mercúrio contém a semente da Pedra Filosofal. Entretanto, é importante destacar que o Mercúrio da Alquimia não tem nada a ver com o mercúrio ― elemento químico metálico.

Enxofre, Mercúrio e Sal

Sal

O Sal é o terceiro dos princípios da Alquimia. É o corpo, que de acordo com o dicionário, é “uma estrutura material que incorpora ou dá concreta a algo abstrato“.

Todos possuímos um corpo. Não somente nós, mas outras formas ou objetos de vida.

Na Alquimia, o Sol simboliza o corpo físico e a matéria do qual a alma e sua força vital funcionam. É a matéria básica, propriedade solidificante que corresponde ao corpo. 

O Sal é a força constritiva, o oposto do Enxofre, e exibe o processo de condensação e cristalização na química. 

De acordo com Dennis Willian Hauck, “O Sal representa a fixação, a materialização e a formação de corpos, e incorpora essas características que associamos à ideia de massa ou matérias” (5).

Os alquimistas consideram o Sal a Prima Matéria, que aparece tanto no início quanto no final da Obra.

É a matéria corrompida e imperfeita, que deve ser destruída e dissolvida para liberar suas essências, para que possam ser purificadas e reconstruídas no novo Sal, que é aperfeiçoado no final do experimento.

Os quatro Elementos, que são os princípios fundamentais da matéria, têm sua origem nos três princípios da Alquimia.

O Enxofre está arquetipicamente associado ao Fogo. O Mercúrio, com sua dupla natureza produz os elementos Ar e Água; e o Sal é a fonte do elemento Terra.

E então, entendeu o que são os Três Essenciais, a Tria Prima de Parecelso? Se quiser se aprofundar mais na leitura sobre alquimia, indicamos abaixo algumas leituras muito boas e ideal para iniciantes:

Título: Alquimia para Iniciantes (Kindle E-book)

Autora: Lidiane Franqui

Título: História Geral da Alquimia

Autora: Serge Hutin

Autora: Serge Hutin

Título: Introdução à Alquimia

Autora: Brian Cotnoir

Título: Alquimia & Misticismo 

Autora: Alexander Roob

Bibliografia Consultada:

(1) PARACELSO. De Vita Longa. São Paulo: Editora Trê, 1976.

(2) MAGNO, Alberto. Compositum de Compositis. Lisboa: Edições 70, sd.

(3) EVOLA, Julius. A Tradição Hermética. Lisboa: Edições 70.

(4) SANTOS, Yedda Pereira dos. Dicionário de Alquimia: A Chave da Vida. São Paulo: Madras, 2012.

(5) HAUCK, Dennis Willian. The Complete Idiot’s Guide to Alchemy. New York: Alpha Books, 2008.

O que você achou do texto?

Clique nas estrelas

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Sobre o autor | Website

Meu nome é Lidiane Franqui. Sou escritora e autodidata. Na minha jornada de autoconhecimento, tenho me deparado com áreas de estudo como Hermetismo, Alquimia, Kabbalah, assim como áreas mais modernas como a Mecânica Quântica e a teoria monista do Universo. Seja bem-vindo e espero que aprecie o conteúdo compartilhado neste blog!

Entre para nossa lista VIP e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

100% livre de spam.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!