O que significa esse tal “Efeito Não Local” na Mecânica Quântica?

Efeito Não Local

Quando começamos a estudar Mecânica Quântica, nos deparamos com muitos nomes, experimentos e coisas que estavam longe de fazer parte do nosso dia a dia.

Expressões como Dupla Fenda, Efeito Casimir, Efeito Não Local começam a fazer parte da nossa rotina, uma vez que aqui e acolá aparecem em nossos estudos e leituras.

Mas, o que são essas coisas? Será que precisamos realmente saber o que elas são?

É importante sim ter uma noção do que são os experimentos que embasam a Mecânica Quântica. Não precisamos nos aprofundar tanto, mas o mínimo de entendimento é interessante, para que saibamos com o que estamos lidando.

Neste texto, trouxemos uma breve explicação sobre o Efeito Não Local. Nada muito complexo. Apenas o suficiente para que possamos entender sua relação com a realidade quântica.

Efeito Não Local

Para entender melhor este evento, encontrei no artigo do Osny Ramos uma explicação de fácil entendimento. Para uma rápida compreensão, ele explica que a física antiga nos ensinou que causa e efeito devem necessariamente ocorrer no mesmo âmbito, ou seja, tanto a causa quanto o efeito devem ocorrer no mesmo local.

Até então, tudo bem. Do ponto de vista da ciência, nunca, em nenhuma hipótese poderia ser diferente.

Mas, com o aparecimento da Física Quântica, isso mudou, já que ela admite que no “aqui e agora” podem estar atuando formas e energias que não estão necessariamente aqui, no mesmo local em que nós. E mais, essas forças e energias distantes têm o poder de nos afetar.

Uau! Consegue imaginar que forças do passado, presente, futuro ou que estão em outro local podem afetar você? Tanto seu corpo quanto seu psiquismo?

Os físicos não contavam com isso, afinal, o efeito de Não-Localidade rompe com o Princípio da Causalidade, abrindo portas para uma realidade holística, até então pertencente apenas ao mundo místico. Como Osny Ramos diz: “ele introduz na Física um fundamento metafísico”.

Isso começa a desconstruir a teoria mecanicista e materialista que até então era a base fundamental da Física. Não que deixaremos de reconhecer o mérito das descobertas de Newton e Descartes — ícones da Física Clássica. No entanto, não dá mais possível fingir que as descobertas da Física Quântica não importam.

Considerando o Efeito Não Local no dia a dia podemos citar o exemplo colocado no artigo citado no início desse texto:

“Pense sobre isso: com base no Efeito Não Local, se você for um médico, por exemplo, durante o diagnóstico, você tem que considerar também como possíveis causas da doença, coisas com qual o seu paciente nunca entrou em contato na sua experiência fática. Coisas que não entraram no seu conteúdo vivido nem através do espaço nem através do tempo. Pior: coisas que ainda estão no futuro!”

Entendeu o que é o Efeito Não Local? Para finalizar, deixamos mais uma passagem do artigo do Osny Ramos:

“Se cada um de nós soubesse controlar e utilizar essas energias invisíveis, então o Efeito Não Local poderia ser utilizado para nos conectar com as  pessoas e as  coisas necessárias para a concretização dos sonhos e projetos.”

Vós sois Deus: a verdade por trás dessa afirmação

Vós Sois Deuses

Pesquisando por aí, deparei-me com um texto maravilhoso sobre o tema e trouxe aqui para dividir com vocês. Após a leitura, vamos entender mais claramente o que a expressão “Vós Sois Deuses” significa.

Por despertando.com.br

“Quem acompanha o Despertando sabe que eu falo com frequência que todos são Deus, que mais dia ou menos dia, todos irão chegar a essa conclusão.

E quando eu digo que você é Deus não se trata de uma metáfora, não se trata de técnica de autoajuda, nada disso, se trata da única realidade que existe. E você só chegará a essa conclusão quando a iluminação acontecer, quando você se sentir Deus.

E é simplesmente impossível alguém sentir algo por outra pessoa, ou seja, é impossível que alguém se sinta Deus por você. Somente você é capaz de controlar seus próprios sentimentos, somente você é capaz de despertar.

Uma forma de acelerarmos esse processo é compreendendo intelectualmente quem é Deus. E quando eu digo intelectualmente, eu quero dizer compreender a lógica de Deus, a sua estrutura técnica.

Nós somos feitos de órgãos, que são feitos por células, que são feitos por moléculas, que são feitas por átomos, que são feitos por prótons, nêutrons e elétrons.

Os prótons, por sua vez, são feitos de quarks e, os quarks, são feitos por bósons de Higgs. “Abaixo” do bóson de Higgs está o que foi nomeado pela ciência como vácuo quântico. Esse é o caminho que iremos encontrar se formos dando um zoom em qualquer parte do nosso corpo.

A questão é que o nome vácuo quântico não ajuda em nada na sua compreensão, a palavra vácuo dá ideia de vazio, dá uma sensação de nada. E isso está longe de ser a realidade.

Vácuo quântico é o nome técnico dado a Deus, o Todo, ou seja, o vácuo quântico é onipresente, onisciente e onipotente. O que eu quero dizer é que o vácuo quântico, de vácuo, não tem nada. Na verdade, ele É infinitas possibilidades.

Esse nome foi dado porque é exatamente essa a visão da ciência materialista. Para ela, o bóson de Higgs aparece “do nada”, aparece do vácuo.

E o vácuo quântico se manifesta na forma de uma onda que vibra em uma frequência, literalmente, inimaginavelmente rápida. Quando Ele reduz a frequência de uma parte Dele mesmo, surge o bóson de Higgs.

Os bósons de Higgs se reúnem, reduzem a frequência e dão origem aos quarks; os quarks se reúnem, reduzem a frequência e dão origem aos prótons; os prótons se reúnem com os nêutrons e elétrons, reduzem a frequência e dão origem aos átomos; os átomos se reúnem, reduzem a frequência e dão origem as moléculas; as moléculas se reúnem, reduzem a frequência e dão origem as células; as células se reúnem, reduzem a frequência e dão origem aos órgãos; os órgãos se reúnem e dão origem a você.

Na realidade não existe nada material, tudo é uma onda vibrando em uma certa frequência. Acontece que as frequências que constituem a faixa de vibração da terceira dimensão, ao serem captadas pelos sentidos físicos, dão a falsa sensação de materialidade, de massa.

E é essa a mesma lógica para tudo no universo, é tudo uma questão de redução de frequência e organização. Reduzindo a frequência e se organizando da forma “X” dará origem a um órgão humano; reduzindo a frequência e se organizando da maneira “Y” dará origem a uma cadeira; reduzindo a frequência e se organizando da forma “Z” dará origem a lua etc.

O que eu quero que todos compreendam é que o vácuo quântico É tudo que existe, Ele É a fonte de tudo, Ele É a substância de tudo, Ele É a causa raiz de tudo.

O que e quero dizer é que o vácuo quântico não deixa de ser o vácuo quântico simplesmente porque reduziu sua frequência e se transformou no que convencionamos chamar de bóson de Higgs.

Na verdade, o bóson de Higgs é o vácuo quântico atuando como bóson de Higgs. E é a mesma lógica para os quarks, prótons, nêutrons, elétrons, átomos, moléculas, células, órgãos, seres humanos, carros, celulares, planetas, galáxias, etc.

O que precisa ficar claro é que um elétron não é um elétron, ele está um elétron. O que eu quero dizer é que essa “partizinha” do vácuo quântico que reduziu sua frequência até virar um elétron, na verdade, tem a potencialidade para ser qualquer coisa – infinitas possibilidades – mas nesse caso em específico, Ele está se manifestando como um elétron.

O que eu quero dizer é que o vácuo quântico, ou seja, Deus, está em todos os átomos do seu corpo. E quando eu digo que Ele está em cada átomo do seu corpo, eu quero dizer que Ele TODO está em cada átomo do seu corpo. Toda onipotência e toda onisciência estão em todos os átomos, em todas as subpartículas do seu corpo, somente assim Ele poderia ser onipresente.

É essa lógica que todos precisam compreender: o Todo, para ser o Todo, precisa estar TODO em todos os lugares ao mesmo tempo.

Não existe um átomo mais Deus que outro; não é porque uma célula é uma organização do vácuo quântico mais complexa que uma molécula que ela seja mais Deus que a molécula.

Uma célula é Deus se manifestando na forma de célula, uma molécula é Deus se manifestando na forma de molécula. Um ser humano é Deus se manifestando na forma de um ser humano, uma vaca é Deus se manifestando na forma de uma vaca.

Tudo que existiu, existe e existirá é Deus se manifestando em algum formato específico, em algum arquétipo específico. É por isso que eu peço tanto para que todos estudem mecânica quântica.

Se você se dedicar aos estudos e não cair na não aceitação da realidade última, você irá compreender o vácuo quântico. E aqui pouco importa como você irá chamá-lo: vácuo quântico, Deus, Todo, Jah, Alá, Jeová, não importa. Seja o nome que você quiser dar, você É esse nome que está dando.

Então quando eu digo que você é Deus não se trata de uma questão mística, religiosa. Trata-se de você ser uma organização da redução da frequência da única Fonte que existe – é uma questão técnica, é uma questão de lógica.

O que eu estou tentando fazer através do Despertando, queridos irmãos, é que vocês se tornem conscientes que qualquer sentimento de inferioridade que vocês sintam em relação a Deus é puramente mental, trata-se de uma crença limitante. A inferioridade, a separação em si, não possuem embasamento lógico nenhum.

Vós Sois Deuses

As pessoas se sentem mais confortáveis quando expressões como: “Parte do Todo” ou quando a relação “cria/Criador” são utilizadas. E em ambos os casos o conforto advém da falsa sensação de inferioridade na mente da pessoa. A parte é menor que o Todo, é inferior ao Todo; assim como a cria é menor que o Criador, é inferior ao Criador.

E é exatamente aí que mora a ilusão. A parte não existe, o que existe é o Todo se manifestando como parte. A parte não é inferior ao Todo, a parte não é menor que o Todo, ela é uma manifestação do Todo em forma de parte, ou seja, tudo que o Todo É, ela É.

Assim como não existe a cria, o que existe, é o Criador se manifestando como cria. A cria não é menor que o Criador, a cria não é inferior ao Criador, a cria É o Criador se manifestando em formato de cria.

E a ilusão da inferioridade, como toda dualidade, vem da falsa sensação de separação da Fonte. Uma coisa só pode ser superior ou inferior a outra se elas estiverem separadas, caso sejam uma coisa só, a comparação simplesmente não tem cabimento.

E é exatamente aí que está o “X” da questão, através dos dogmas religiosos, das crenças limitantes, você realmente passou a acreditar que está separado do vácuo quântico, que está separado de Deus. E é a partir desse estado de consciência que você vem criando a sua realidade há milhares de anos.

Para sair dessa situação você precisa expandir sua consciência, precisa compreender os mecanismos do ego. Na visão do ego, você dizer que é Deus é uma das afirmações mais arrogantes e prepotentes que um ser pode fazer quando, na verdade, somente através da arrogância e da prepotência é que você pode se julgar alguém diferente de Deus.

Ao se julgar diferente, separado de Deus, você está querendo dizer que não é somente Deus que existe e que, na verdade, existe você e existe Ele – separados – e nada pode ser mais arrogante e prepotente que isso.

Então enquanto você se acha um bom filho de Deus reconhecendo a sua inferioridade perante o Senhor, na verdade, você está dizendo para Deus: “Deus, eu não acredito que somente você existe, eu não acredito na sua onipresença, eu estou separado de você”.

É por isso que nós estamos trabalhando na frente chamada Mecanismos do ego, para que todos possam compreender e, consequentemente, transcender o ego.

Enquanto você não compreender que para você existir como ser, para que você possa ser uma manifestação do Todo, precisa existir dentro de você uma energia, um “eu”, que se vê separado de tudo e de todos a todo momento, você estará identificado com o ego, você estará agindo a partir dessa consciência de individualização.

O desafio é grande, pois é preciso que exista uma inversão na forma de pensar. Enquanto você achar que agir a partir do ego é se achar Deus, você estará caindo feito um patinho na conversa do ego. É exatamente ao contrário, somente através da identificação com o ego é que você pode acreditar na separação, na inferioridade.

É o ego quem se acha separado, é o ego quem cria a superioridade e inferioridade, é o ego quem te deixa cego para a realidade.

Então a questão é simples: ou você está acordado e reconhece que é Deus e, a partir dessa consciência, compreende que só existe saúde, alegria, prosperidade, bem-aventurança, crescimento, evolução; ou está dormindo, preso à falsa sensação de separação, de inferioridade, e irá criar uma realidade onde exista dor, sofrimento, medo, doença e todo tipo de sentimento de baixa vibração.

E o que precisa ficar claro é que aquele que está acordado, que está criando alegria, prosperidade, abundância etc., é tão Deus quanto aquele que está criando tristeza, escassez, sofrimento etc. Ninguém é melhor que ninguém, ninguém é superior a ninguém, tudo é uma questão de estado de consciência.

Através da mecânica quântica já ficou claro que é você quem cria a sua realidade, que o exterior é apenas um reflexo do interior. Então se no interior existir a crença na separação, o serão emanados sentimentos oriundos de um estado de consciência identificada com a separação, logo, o exterior, a sua realidade, será baseada na separação, ou seja, em sentimentos de baixas vibrações.

É exatamente essa realidade baseada na falsa sensação da separação, no medo, no ódio, no ciúme, na vingança, que sustenta a sua ideia de não ser Deus, de não ser o amor incondicional.

Quando, na verdade, acreditar na separação, acreditar ser inferior a Deus, é uma das infinitas possibilidades que existem e isso só prova que você pode experimentar aquilo que quiser. Prova também a sua onipotência, prova que você É Deus e pode tudo, inclusive, fingir – de verdade – que não É Deus.

Toda vez que eu falo que vocês são Deus, sempre algum irmão comenta algo do tipo: “Eu reconheço que sou parte do Todo, parte de Deus, mas não sou o criador do universo”. Isso mostra que a pessoa ainda não compreendeu o que é a evolução.

Jesus Cristo, por exemplo, que é o administrador do planeta Terra, que chegou ao estado de consciência de amar um planeta inteiro, um dia também passou pela terceira dimensão e experimentou a falsa sensação de separação da Fonte.

É óbvio que essa experiência não foi na Terra, quando a alma de Jesus estava no estado de consciência da terceira dimensão, a alma da Terra ainda não havia sido emanada. Então Jesus também se achou um dia menor que Deus, também se achou apenas uma parte e não o Criador dos universos, até que um dia ele despertou.

E toda vez que há um salto de consciência, é preciso que exista um salto dimensional. O que eu quero dizer é que, quando Jesus despertou, ele passou para o estado de consciência da quarta dimensão, com uma nova forma de enxergar e viver a vida.

E Ele continuou evoluindo na quarta dimensão, continuo expandindo a consciência, continuou elevando sua vibração cada vez mais até que a quarta dimensão ficou “pequena” para Ele, então ocorreu um salto para quinta dimensão.

E na quinta dimensão a história foi a mesma, ele continuou crescendo, continuou ajudando os outros, continuou estudando, expandindo a consciência até que mais um salto ocorreu.

E o processo foi o mesmo até que Ele chegou em uma dimensão onde o estado de consciência dos seres que a habitam, é um estado de consciência compatível com seres administradores de planetas. Os seres que chegam nessa dimensão expandiram tanto as suas consciências que se tornaram uma manifestação de Deus com a capacidade de dar vazão ao amor incondicional para um planeta inteiro.

O que eu estou tentando deixar claro é que tudo é uma questão de estado de consciência, tudo é uma questão de frequência. Quanto mais você ama, quanto mais você eleva sua frequência, mais em ressonância com Deus você vai ficando.

Acontece que não existe limite de frequência, Deus é onipotente, ou seja, sem limites. O que eu quero dizer é que você pode expandir a sua consciência eternamente, elevar sua frequência eternamente, que sempre haverá mais para aprender, sempre haverá mais amor para dar vazão.

Essa é a sacada, o insight a se ter!

Então, por mais que isso possa te causar uma certa revolta neste momento, eu gostaria de deixar claro que é uma questão de tempo para que você também se torne um Jesus Cristo, um administrador de planetas.

Você não vai ficar em um estado de consciência de terceira dimensão por toda a eternidade. É verdade que você é Deus e tem o livre arbítrio para manifestar a realidade que quiser pelo tempo que quiser, mas em algum momento da sua existência você irá dar um salto evolutivo, você irá acordar do sonho.

É óbvio que do estado de consciência que você se encontra hoje até se tornar um ser administrador de planetas vai éons, mas continua sendo somente uma questão de tempo. Você não irá desaparecer, a existência é eterna, uma hora você vai ter que dar um salto dimensional.

Nossa ciência já descobriu que o universo está se expandindo o tempo inteiro, ou seja, novas galáxias, novos sistemas solares, novos planetas, estão surgindo a cada segundo.

E adivinha por que essas galáxias, esses sistemas solares, esses planetas, estão sendo criados a todo momento? Porque, a todo momento, novos seres estão chegando ao estágio de consciência capaz de administrar galáxias, sistemas solares, planetas, inteiros.

Todos nós um dia iremos administrar planetas, sistemas solares, galáxias, universos, conglomerados de universos, super conglomerados de universos, mega super conglomerados de universos – não existe limite algum.

Para Deus — o Todo — não existe problema algum em um universo ser criado atrás do outro. Deus não sofre com problema de espaço, Deus não sofre com escassez de recursos, Deus É onipotente, onisciente e onipresente.

O que eu quero que fique claro, meus amados, é que qualquer limite que exista foi imposto pela limitada mente humana terrestre.

E se você estudar o que disse Buda, o que disse Jesus Cristo, o que disse Sócrates, o que disse qualquer ser que atingiu a iluminação espiritual, verá que todos — cada um à sua maneira — disseram a mesma coisa: “Vós sois Deuses”.

Acontece que na Terra da terceira dimensão qualquer ser que se lembrar que é Deus e começar a explicar para os outros que eles também são Deuses precisa ser eliminado.

Se uma massa crítica da população se lembrar que é Deus a Matrix simplesmente desaparece. Para que ela funcione, para que o véu continue em pé, é preciso que as pessoas se julguem separadas da Fonte, pois somente assim pode existir medo, pode existir ódio, pode existir guerra, pode existir fome etc.

É preciso sair da visão romântica da vida e compreender que na Terra da terceira dimensão roda uma Matrix cujo programa base tem como objetivo sustentar a falsa ideia de separação.

Então as milhares de religiões, com os milhares de deuses separados de você, os deuses com “d” minúsculo, deuses externos, são apenas subprogramas que sustentam o programa base.

Você só pode seguir uma religião que prega um deus separado de você se realmente acreditar que está separado de Deus.

O que eu estou querendo dizer é que você só irá sair, realmente, da matrix quando se lembrar que É Deus. Enquanto essa consciência não for atingida, você estará vibrando nas frequências que sustentam a matrix.

O que eu quero que fique claro é que existe um plano sendo executado há milhares de anos para te manter na ilusão da separação. Existe, literalmente, um programa rodando no seu mental que fica repetindo incessantemente a seguinte afirmação: “Eu estou separado da Fonte!”.

E você não é uma vítima da matrix, não existem vítimas. A matrix é uma forma/pensamento que é colocada no seu campo de forma arbitrária, sem respeitar o seu livre arbítrio.

No entanto, cabe a você aceitá-la ou não. Se você não se identificar com ela, então você estará na matrix, mas não será da matrix. Então por mais que tudo, que todo o cenário esteja preparado para que você acredite na separação, cabe a você entrar nessa ilusão ou não.

A separação em si não existe, ela não tem a mínima lógica. Nada está separado do vácuo quântico, tudo tem como origem o vácuo quântico, somente ele existe. Tudo mais é uma redução organizada da frequência Dele.

Acontece que o vácuo quântico É infinitas possibilidades e isso corresponde a dizer que, dentre as suas infinitas possibilidades, existe a de se sentir separado Dele.

É real que você experimente a sensação de estar separado dele, mas isso não quer dizer que você não seja Um com Ele. Na verdade, quer dizer que você É o vácuo quântico experimentando a sensação de estar separado do próprio vácuo quântico e isso não te faz alguém diferente Dele.

É preciso que fique claro o que são infinitas possibilidades. O vácuo quântico é onipotente, ou seja, pode tudo. O que eu quero dizer é que se não houvesse a possibilidade de experienciar como seria estar separado da Fonte, então o vácuo quântico não seria infinitas possibilidades. Ele seria todas menos a sensação de estar separado da Fonte, logo, o Todo não seria o Todo.

É por isso que é preciso que exista expansão da consciência, é preciso transcender a dualidade, é preciso compreender quem é o Todo. Enquanto você estiver preso ao bem ou mal, certo ou errado, estará cego para a compreensão da onipotência.

E meus queridos, eu tenho plena consciência que estou mexendo com a sua crença mais profunda e mais enraizada. Então eu sei que para muitas pessoas, presas aos dogmas religiosos, o que eu estou dizendo soa, de certa forma, como algo desrespeitoso.

Eu compreendo e tenho compaixão com a sua crença na separação, na inferioridade a Deus, mas te lembrar que isso é uma ilusão é exatamente o meu trabalho.

Eu sei que estamos encarnando na terceira dimensão da Terra há milhares de anos, sei o quanto fortemente nós estamos presos a ilusão da separação, que nos identificamos tanto com o “eu” egóico, o “eu” que se sente separado de Deus, que se sente inferior a Deus, que criamos uma realidade cheia de sofrimento e que, essa realidade, nos tornou cegos para nossa divindade.

Assim como eu sei que tudo isso é uma ilusão e que um dia, fatalmente, acabará. E é para que isso aconteça o mais rápido possível que eu trabalho dia e noite.

Todos um dia irão se recordar que são Deus, o despertar é inevitável. Cada um irá passar por um conjunto de experiências até que o inevitável aconteça, até que a ilusão da separação chegue ao fim. Seja pela dor ou pelo amor, um dia você irá se recordar quem realmente É!

Que o amor desperte em todos os seres!

Busque conhecimento, emita amor, seja luz!”

Gratidão eterna ao autor deste texto esclarecedor sobre a afirmação: “vós sois deuses“. Como ele disse, essas informações mexem com a crença mais fortemente enraizada nas pessoas.

Por isso, deve ser divulgada, deve ser mostrada com esse amor e compaixão que foi escrita. Não somos menos que Deus É. O Todo somos nós e nós somos Eles.

Paz e luz!

Como dissolver nossas sombras? Solta tudo! Joga luz nelas!

como dissolver nossas sombras

Temos dentro de nós luz e ausência de luz. Somos seres duais, como tudo no Universo. Absolutamente tudo tem dois lados: bem e mal, feio e bonito, rico e pobre, alto e baixo etc.

Com base nisso, no nosso processo de autoconhecimento, devemos aceitar que temos sombras. Reconhecer a ausência de luz em nós é dar um passo adiante no caminho evolutivo.

Muita gente se engana acreditando que deve ser bonzinho só porque está em processo de autoconhecimento ou participa de uma religião.

Nem sempre a pessoa que veste uma máscara de bom samaritano realmente é. Certa vez, a psicóloga e terapeuta Rosineide Bello disse em um de seus vídeos que nem todo mundo que aparenta bondade traz essa aparência espiritual.

Muitas vezes, pessoas bonitas, bem arrumadas e com sorriso no rosto possuem um aspecto grotesco espiritualmente falando. Isso acontece porque nossos pensamentos e ações afetam negativamente — e positivamente — nossa aparência no astral.

Lá não dá para usar máscara. Ou você é luz ou é ausência da mesma.

Sendo assim, a grande questão aqui não é a sombra em si — uma vez que todos a possuímos em algum grau —, mas a negação dela.  Em vez de mascará-la, precisamos encará-la, reconhecê-la. Só assim, poderemos iniciar o trabalho de transmutação.

Quando nos negamos a fazer isso, a sombra não vem à tona. Ela se instala no inconsciente e começa a, de certa forma, comandar a nossa vida.

O que são as sombras?

Segundo o Hélio Couto, a sombra pode ser qualquer pensamento, sentimento, crença reprimida, tudo que é desagradável e o ego não quer se conscientizar. Essas coisas são suprimidas e jogadas no inconsciente.

O problema é que basta acontecer alguma coisa que não conseguimos controlar para essas sombras reagirem e criarem ainda mais problemas.

Como você pode ver, a grande questão está em reprimir, não em ter sombras. O problema não é o comportamento ou pensamento questionável que temos, mas a forma como lidamos com isso.

Jogar a poeira para baixo do tapete não é nada legal. Quando você o levantar, tudo virá à tona. Assim são as sombras que jogamos para baixo do tapete, que é nosso inconsciente.

“Quando a pessoa é espontânea, não manipula, vive como sua essência. Praticamente a pessoa não tem problemas, por que ela não cria sombras. Se ela tem sentimentos, ela fala. Ela expressa! Mesmo que seja sozinha! Mas expressa o sentimento que tem.” Hélio Couto

Entendeu a questão aqui?

Precisamos trazer nossas sombras à tona. Só assim saberemos que elas existem e só desse modo poderemos fazer alguma coisa para trabalhá-las. Esse é o processo de autoconhecimento: conhecer para mudar.

Por fim, a dica que o Hélio nos dá para diminuir o poder da sombra é perdoar, soltar. Nada de se reprimir. Sentimentos, pensamentos, ações. Coloca tudo para fora. Vai doer? Vai. É desagradável? É. Mas, lembre-se de que soltando tudo, deixando às claras, as coisas andam.

Somente o ego tem interesse em esconder essa parte de nós, pois quer se mostrar perfeito. Ele quer elogios e a falsa sensação da perfeição. Temos que fechar os ouvidos para o ego e ser o mais espontâneo possível. Quando colocarmos nossas sombras para fora, nos sentiremos mais leves. Isso é evoluir. Isso é crescer.

Sabendo como tudo isso funciona, dificilmente permitiremos que novas sombras se instalem. Elas virão — pensamentos, sentimentos, ações —, mas em vez de reprimi-las, vamos transmutá-las, às claras.

“O ego não quer saber de pessoas que querem fazer você enxergar a sua própria sombra. Uma das coisas que precisamos ter é a compaixão. O ser que aceita a  própria sombra sabe que o outro também tem. É inútil chegar na luz sem olhar para minha sombra.

Olhe para dentro e veja os sentimentos que você reprime. O ego não deixa mexer na sombra. A sombra não quer que saiamos da zona de conforto. As crenças e a filosofia de vida de uma sociedade é a sombra coletiva.

Como dissolve uma sombra? Joga luz no buraco! Acaba a escuridão. Portanto, é só jogar luz na consciência. Só isto! Deixar a luz entrar. O problema é que para luz passar a resistência é enorme.

A luz entra, ilumina a sombra, cura, perdoa, aceita mais e na medida que a pessoa tiver a vontade de fazer esta limpeza, isto pode ser muito rápido.” Hélio Couto

Abandone a posição de vítima e seja proativo!

Abandone a posição de vítima

Uma das coisas que nos atrasam no caminho da evolução é a crença de que somos vítimas. Pois eu digo: não somos vítimas de nada.

Vivemos em uma realidade em que existe uma Lei que atua independentemente de você saber ou não da existência dela. A Lei de causa e efeito. Não existe efeito sem causa. E toda causa leva a um efeito. Isso é real você querendo ou não.

Com base nisso, podemos afirmar que a realidade em que estamos inseridos é criação nossa. E foi atraída em algum nível. Mas, para entender as coisas nessa perspectiva é preciso “ter olhos de ver“.

Os materialistas — e muitos religiosos — vão dizer que não, que isso é tudo uma bobagem, afinal, como criancinhas que acabaram de nascer, livres de qualquer pecado, podem morrer logo em seguida ou amargurar uma vida com doenças e limitações?

Só pensa assim quem não acredita em outras dimensões da realidade além da nossa. Somente quem acha que a vida é só essa. Poderíamos falar sobre muitas coisas para rebater essas afirmações, mas esse não é o foco do texto.

A grande questão é que a posição de vítima é uma crença paralisadora, que impede a pessoa de evoluir drasticamente.

Mesmo sem entender as circunstâncias que levam aos acontecimentos ruins da nossa vida, nossa posição deve ser de ação. Devemos ser proativos e não ocuparmos a posição de vítima.

É muito importante para nosso crescimento — moral, emocional e espiritual — deixarmos de lado os nossos problemas e focar na solução deles. Afinal, problemas todos temos e sempre haverão desafios incontáveis.

Resolvemos um e vem outro. Solucionamos este e logo mais aparece outro. Não é assim?

Isso acontece porque nossa realidade não é linear, ou seja, o tempo todo estável. O caos é parte da vida. O universo é de caos e na nossa vida há e sempre haverão altos e baixos.

Portanto, não é prudente sofrermos por causa desse movimento. Não adiante esperar que tudo esteja o tempo todo bem e se considerar vítima quando as coisas não acontecem do jeito que a gente quer.

Porque na realidade é isso. Irritamo-nos quando as coisas saem diferentes do que havíamos planejado. Clocamos nosso foco no que queremos e não no que é melhor para nós e para o resto da existência.

Como o Professor Hélio Couto disse uma vez, nós nos tornamos crianças birrentas quando as coisas não saem como queremos.

Não é por aí. Somos consciências em evolução. Somos Deus em pura ação, experimentando-se por meio de nós. Já somos crescidos o suficiente para abandonar a posição de coitadinhos.

Por isso, vamos assumir a responsabilidade por aquilo que viemos fazer neste mundo: crescer e ajudar os outros a fazer isso também. E isso não se faz choramingando, minha gente. Isso não se faz se fazendo de vítima.

O trabalho é feito com ações. Procurando crescer dentro do contexto em que você está. Não precisamos dar passos além da nossa capacidade, e sim trabalhar e agir.

E não falta trabalho neste mundo. Não falta conhecimento a ser buscado. Falta é coragem. Falta mesmo é sair da zona de conforto para aprender mais sobre si mesmo e sobre a realidade em que vivemos.

Enquanto estivermos na zona de conforto, culpando os outros pelas nossas dores, nada mudará. Por isso, com todo amor eu digo: abandone a posição de vítima e seja proativo!

Essa é a energia que devemos cultivar.

Viver no mundo e não fazer parte dele

ser do mundo e não fazer parte dele

Viver no mundo e não fazer parte dele. O que isso significa? Parece impossível, não é mesmo? E também, soa como discurso de alguma religião. Mas, não é. Pelo menos não aqui neste texto.

Você olha ao redor e muitas vezes não compreende certos comportamentos. Ou, outras vezes se vê fazendo exatamente o que todo mundo faz. É muito claro que existe aí uma polaridade. De que lado você está?

Você faz o que todos fazem ou está fora da roda, marginalizado, deslocado, afastado do senso comum? Se você corresponde ao segundo caso, você vive no mundo e não faz parte dele.

Muitas pessoas poderiam achar que isso é motivo de tristeza. Mas acredite, meu amigo, não é. O mundo da forma que todos nós vemos é uma ilusão. Jogos de poder, correria por uma felicidade que nunca chega, guerras de egos…

É um negócio meio sem sentido essa “matrix”, não é mesmo? É por isso que você não se encaixa. Você chegou a um ponto da sua existência que as coisas precisam fazer sentido.

Você não aceita mais explicações vagas. Não concorda mais com tudo que dizem parecer o correto Você é um questionador. Você está aqui revendo os paradigmas porque compreende que muitos deles não correspondem à sua busca.

Você se vê no grande dilema: como viver neste mundo sem me perder nele? Como conviver com tanta ilusão e com todo mundo chamando você de doido porque você questiona o que a maioria somente diz amém? Como sobreviver a essa loucura?

Isso mesmo! Por que quando a gente acorda e se percebe nessa situação é quase mortal. Primeiro a gente tenta voltar a ser como antes. Pensar, falar e sentir como antes.

E o que acontece? Dor. A gente não consegue mais. Os amigos se afastam porque você não consegue mais se satisfazer com a mesma coisa de antes.

As conversas permanecem as mesmas, mas você não quer mais falar sobre novela, sobre a vida das amigas ou a partida de futebol. Interessa mesmo é viajar na filosofia das coisas. Saber quem você é, para que você está aqui, de onde veio, quem foram os grande mestres…

Você se interessa por tudo que o senso comum não quer saber. E então você se isola. É nessa hora que o peito dói e muitos de nós se perguntam: e agora? O que eu faço nesse mundo do qual não faço mais parte?

Particularmente, meu conselho é: estude e ame. Estude porque o conhecimento é inesgotável. Quanto mais você estudar e buscar as respostas que sua alma busca, melhor. E quanto antes você fizer isso, mais rápido você encontrará respostas.

Depois, ame. Amar quem? Esse mundo que não me compreende?

Ame tudo! Ame a si mesmo em primeiro lugar, por estar passando por essa etapa linda da sua existência. Ame o planeta em que vive e todos os seres que existem nele. E isso inclui todo o senso comum. Jesus amou a todos, inclusive aqueles que não o compreendiam, não foi? Então, ame. Ame, sobretudo, esta linda experiência que é o despertar.

Você está acordando. Como um bebê, está renascendo em um mundo novo em que o criador colocou nas suas mãos o mapa do tesouro. Agora você sabe quem realmente é. Sabe que tem todo poder que uma centelha divina pode ter. Agora você não faz mais parte da massa de manobra.

E quando você buscar mais conhecimento, verá que só amando poderá compreender que as pessoas que estão lá fora e não compreendem sua mudança são da mesma substância divina que você.

Você não vai sentir desprezo, raiva e nem se sentir melhor que elas. Você irá amá-las e ajudá-las a, um dia, trilhar o mesmo caminho que você. Esse é o propósito. Isso é amar incondicionalmente.

Paz e luz!

Afinal, o que é Mecânica Quântica?

O que é Mecânica Quântica

Mecânica Quântica. O que é isso e o que tem a ver com a minha e a sua vida?

Eu só fui realmente entender do que se trata e compreender o que esse entendimento acarreta, depois que comecei a ouvir as palestras do Professor Hélio Couto. Hoje em dia, tem muita gente falando sobre o assunto.

Particularmente, eu o escolhi como principal fonte, embora também busque conhecimento por meio de outras pessoas que, igualmente, estão fazendo um bom trabalho de divulgação da MC.

No início estava bem confusa e preocupada se teria que engolir livros e livros de física, analisar fórmulas incontáveis para entender. Mas, estava enganada. E sabe o por quê?

É que na prática eu já convivia — e ainda convivo — com MC todos os dias. Você também. Vejamos o motivo:

Você tem celular? Usa bilhete único do metrô? Não vou perguntar se usa, mas acredita na tecnologia utilizada atualmente para construir bombas atômicas?

Só isso já mostra que existe um pessoal aí que não só sabe o que é Mecânica Quântica, mas utiliza bastante.

Mas MC não é só isso, meus amigos. Existe um outro lado da história, aquele que não favorece apenas a tecnologia. Mas ele é velado e, quanto menos gente entender, melhor.

A grande questão é que a teoria quântica tem aplicação em tudo na vida, e quando isso for realmente entendido, as coisas vão mudar drasticamente.

E sabe por quê? É que as teorias puramente materialistas da física clássica caem por terra e isso pode comprometer o poder de muita gente.

O que é Mecânica Quântica

A mecânica quântica é o ramo da física que estuda os objetos em escala muito pequenas, e a física moderna é dominada pelos seus conceitos.” (1)

Quando começaram a estudar esse ramo?

No século passado, o mundo físico era explicado com base nos princípios da mecânica clássica — também conhecida como newtoniana. Como ela já não era mais suficiente para explicar alguns questionamentos que começaram a surgir, surgiram a Mecânica Quântica e a Teoria da Relatividade.

Foi então que surgiram várias descobertas nessa época no campo da Mecânica Quãntica: Experiência da Dupla Fenda, Efeito Casimir, Max Planc e o quantum, Niels Bohr e o modelo do átomo, Thomas Young e a Teoria Ondulatória, Princípio da Incerteza de Heisenberg, dentre outros que você pode conferir no artigo Mecânica Quântica I, do Professor Hélio Couto.

Como você pode ver, não é por falta de experimento. Mas, por que mais de 200 anos depois da experiência da Dupla Fenda, por exemplo, há um silêncio velado sobre o assunto?

Por que aqueles— inclusive físicos — que resolveram abrir a boca foram ridicularizados, perderam seus empregos e o prestígio na sua área de atuação?

É que no final de tudo, a Mecânica Quântica revela um novo mundo, que mudaria totalmente o paradigma vigente. Que mundo é esse?

Esteja certo que não é apenas esse de avanços tecnológicos. Você já se beneficia, mas não sabe porque só te mostram o que é adequado para manter o status quo.

Veja a seguir uma transcrição do artigo do Hélio Couto em que ele diz o que a MC mostra e ninguém que ver:

Mostra que a realidade não é material. Que a matéria é apenas uma forma de organização da energia. Que no nível mais fundamental só existe energia. Que tudo está conectado no nível sub-quântico. Que tudo é onda e que no final só existe uma única onda. Que o observador cria a própria realidade. Que a matéria obedece a vontade do observador. Que existem “n” dimensões fora da terceira dimensão. Que a consciência continua após a morte. Que é possível estudar o que existe nas outras dimensões e descobrir a realidade das outras dimensões, deixando de lado todas as estórias que criaram sobre isso. Que tudo é consciência e tem consciência. Que a onda é consciência. Que toda a matéria tem consciência. Que uma única consciência está experienciando a si mesma de infinitas formas. Que existe um sentimento nesta única consciência, que é dominante.” (2)

Entendeu porque a MC incomoda? É que o seu entendimento significa conhecer como funciona a realidade que muita gente quer esconder.

Há muito o que falar sobre o assunto. A quem interessar, estudar os experimentos que dão embasamento à MC pode ser um bom início. Com o passar do tempo, você vai vendo que a visão quântica é o progresso necessário — e natural — pelo qual devemos passar para evoluir cada vez mais.

A visão materialista da vida precisa sair de cena, porque esse tempo todo ela bastou, mas hoje não nos basta mais. Queremos mais. Nosso “espírito” ou seja lá como você chama — não se satisfaz mais com teorias de que fomos criados pelo simples acaso.

Essa foi apenas uma introdução ao assunto. Há muito para descobrir. E felizmente há muita fonte para ser consultada. Lembrando que eu relato aqui apenas o resultado de minhas pesquisas e que não sou especialista no assunto.

A seguir, um documentário completo que pode ajudar a iniciar suas descobertas nesse segmento.

Você sabe o que é a Engenharia do Consentimento? Isso pode interessar você!

Engenharia do Consentimento

Faz parte do nosso processo de autoconhecimento — ou de despertar, como gosto de dizer — questionar o modelo de vida em que vivemos. Isso é fundamental, uma vez que nossa sociedade está longe de ser um bom lugar para se viver.

Nesse processo, precisamos ir fundo na busca por respostas. Quando estive pela primeira vez diante do assunto “Engenharia do Consentimento” comecei a entender porque certas coisas acontecem desde muito tempo e porque nosso modelo social é precário, escravocrata e excludente.

Mas, afinal, o que é essa tal Engenharia do Consentimento?

Resumindo, podemos dizer que se refere às técnicas empregadas por um pequeno grupo — que detêm o poder — para manipular uma massa. Você deve agora mesmo está pensando: “Ah, Lidiane, mas isso é coisa de gente que vê teoria da conspiração em tudo!” Não é bem assim.

A respeito do assunto, Hélio Couto foi bastante explicativo ao dizer que uma massa controlada pela Engenharia do Consentimento:

  • Distrai-se continuamente com coisas que não acrescentam nada para a sua evolução;
  • Coloca o foco nos problemas;
  • Acha que o futuro será melhor sem fazer nada para isso se concretizar;
  • Adia aquilo que é indispensável para a sua evolução;
  • Evita crescer e ser um adulto maduro e responsável;
  • Separa a parte emocional da racional;
  • Está sempre se sentindo dividido;
  • Aceita a ignorância e a mediocridade como normais;
  • Não acredita que pode mudar de vida;
  • Recusa-se a aceitar que podemos mudar nossa realidade.

Esses são apenas alguns exemplos dos comportamentos de uma massa manipulada.

Porque essas pessoas querem manipular a massa?

O que elas ganham com isso? Veja bem:

Quanto mais violência, mais medo, quanto mais medo, mais artifícios de segurança privada as pessoas e empresas consomem e mais as empresas de seguro faturam. Quanto mais medo as pessoas sentem, mais elas ficam em casa, quanto mais elas ficam em casa, mais facilmente elas serão condicionadas e quanto mais condicionadas, mais elas assistem TV aberta. Portanto, quanto mais assistem, mais audiência elas têm, mais faturamento, maior controle e maior share de atuação no mercado, O Deus Mercado. Sem contar é lógico no agregado que se consegue captar para as religiões. Simples Assim.” – (Carlos Torres)

É tudo por poder. É uma forma de deixar a massa (você) quietinho, no seu mundo de fantasias, no seu lugar. Enquanto você está preocupado com a novela, com seu programa de fim de tarde, não tem tempo para questionar o que realmente importa, muito menos para aprender algo de real valor.

Isso é usado largamente na política, na economia, pelas escolas e por todos aqueles que não querem ver seus interesses serem prejudicados.

Engenharia do Consentimento

A grande questão é que a grande maioria da população nem tem ideia de que isso acontece. Primeiro porque as técnicas utilizadas são muito sutis. Segundo porque elas já estão tão manipuladas, que o assunto nem chega a ser levado a sério — espero que não seja o seu caso.

Desse modo, com os meios de manipulação em massa empregados, na maioria das vezes o que você pensa, não é o que realmente pensa. É o que eles querem que você pense!

“Pensamentos que foram sutilmente introduzidos na sua mente e você pensa que são seus pensamentos, mas não são. E para que você não pense a respeito, você é bombardeado constantemente pela mídia, de todas as formas possíveis.” (1)

Todos devemos concordar que a educação, a saúde e outras coisas realmente importantes são deixadas de lado e tratadas como medíocres. Enquanto se investe milhões e milhões em distração (pão e circo), a fome ainda mata no nosso Planeta.

E o que nós pensamos sobre isso? nada. “Não tenho tempo para preocupações desse tipo porque está na hora do meu futebol. Ah, não, começou o Big Brother… e a novela? Menina, está imperdível!”

Enquanto vivemos assim, os poderosos continuam acumulando dinheiro e poder e nós, permanecemos sendo tratados como manada.

A verdade é dura, não é mesmo?! Mas é isso: a verdade. Não adianta falar em autoconhecimento e estar alheio ao que realmente acontece no mundo. Chega uma hora que é impossível não rasgar o véu da ignorância.

E pra concluir esta breve análise:

“É a minoria de homens inteligentes responsáveis que devem controlar a tomada de decisões, responsável pela elaboração de políticas e de uma saudável opinião pública através da manufatura do consentimento. O público deve ser colocado em seu lugar, a de espectadores de ação e não de participantes. Os arquitetos do poder devem criar uma força que possa ser sentida, mas não vista. O poder permanecerá forte enquanto permanecer na sombra, exposto a luz do sol começara a evaporar.”

Inibição doentia contra matar ou torturar

Já ouviu falar nisso? Veja a seguir uma explicação bem interessante:

Logo após a guerra do Vietnã, as pessoas em geral, foram acometidas de uma estranha doença: ‘Inibição doentia contra matar ou torturar”. Obviamente que, na ótica do ‘Sistema’ isso era um grande problema.

Havia (e ainda há) muitas guerras na agenda, pois guerras são extremamente lucrativas e repentinamente a população começa a sofrer desse estranho mal. Como fazê-las voltarem à guerra novamente? Como fazê-las encarar guerras, matança, torturas como algo normal? Engenharia do consentimento.

Iniciou-se então, uma série de ‘séries televisivas’ estimulando a violência, colocando os conflitos como algo normal. Houve uma enxurrada de filmes de guerra e nesses filmes geralmente se dava muita ênfase a um herói, um ‘mocinho’ e sua contraparte, o ‘inimigo’. Puro jogo psicológico, apelo emocional.

Foi também o período áureo dos filmes de Far West e Bang Bang. Séries de TV que estimulavam a boa convivência em família e em comunidade, que evidenciavam os mais nobres e profundos valores humanos, a exemplo da série “The Waltons”, foram tiradas do ar de um dia para outro, sem mais nem menos, mesmo sob protestos a nível mundial. Pergunte-se a si mesmo: Por que armas são exibidas de forma tão ostensiva nos cartazes de anúncio de filmes? (2)

Para finalizar, recomendo a Palestra do Hélio Couto e da Mabel Dias “Rasgando o Véu”. Ela pode ser encontrada no site www.cursosheliocouto.com.br, na pasta de Palestras Gratuitas chamada “Caminho das Palestras.

E você, já ouviu falar sobre esse assunto? Compartilhe com a gente sua opinião!

 

Crédito das imagens: Google

Nada é permanente, exceto a mudança

nada é permanente

Nada é permanente, só a mudança. A vida é um vai-e-vem de acontecimentos. O que hoje é de um jeito, amanhã pode se apresentar de outro. Os relacionamentos que hoje são firmes, amanhã podem se desfazer. A planta que cresce vigorosa, no dia seguinte — ou na semana seguinte —, pode murchar e morrer.

Nada, exceto a mudança, é permanente. Nós nascemos com um futuro certo, que é a morte. Isso pode parecer triste, mas não é se estivermos conscientes do que a impermanência significa. Quando entendermos finalmente a dança da vida e a beleza disso, poderemos tocar no que chamamos de felicidade.

A permanência é a origem do sofrimento

Para todo lugar e situação que você olha, a permanência surge como meio de sofrimento. O medo da perda está presente o tempo todo, impedindo que a gente viva o momento presente. Você começa a ter medo de tudo e, com isso, não vivencia o que as pessoas/coisas/situações têm a oferecer.

A partir do momento em que recebemos a vida com o olhar da permanência, do fixo e imutável, condenamo-nos a sofrer. E isso é óbvio! Como ser feliz indo contra a maré? Isso mesmo! Querer que nada mude é andar na contramão, pois tudo é mutável, exceto a mudança.

Como se sentir bem se temos ideia fixa a respeito de tudo? Como viver assim se de uma hora para a outra tudo pode se mostrar diferente?

É preciso relaxar, soltar o apego e resignar-se. Nenhum de nós quer perder nada, mas às vezes, não estamos perdemos. Estamos apenas vendo o movimento da vida.

Quem está com você hoje pode amanhã encontrar um novo caminho. E assim, você também. Se você está em um emprego hoje, amanhã poderá estar em outro. Se hoje faz um belo sol, amanhã pode estar chovendo. E daí? A vida é assim e não se habituar a isso é viver condenado a sofrer.

Olhe a sua volta. A vida é feita de ciclos e isso pode ser muito bom. Uma existência fixa, em que nada muda seria no mínimo tediosa. Basta que saibamos lançar mão do apego.