Alquimia

Os Quatro Elementos de acordo com a tradição hermética

Quatro Elementos Alquimia
Escrito por Lidiane Franqui

Em Alquimia, os quatro elementos — Fogo, Ar, Água, Terra — expressam significados da ordem física e metafísica. Empédocles chamou-lhes rizómata (raízes) de todas as coisas, que são elementos básicos dos quais toda a criação é constituída.

São imagens arquetípicas, que descrevem as leis cósmicas que governam o universo e as forças primordiais das quais tomou forma. E a partir de sua interação, é possível chegar à Quintessência, ou seja, a principal substância da qual a Pedra Filosofal é composta.

O simbolismo da cruz dos elementos

“Um se torna Dois e Dois se tornam três; e pelo terceiro, o quarto, realiza a unidade. Assim, os dois não formam mais do que um.” (M. Berthelot, Philosophus Christianus)

Antes de prosseguirmos com a descrição de cada um dos quatro elementos, entraremos no simbolismo da Cruz. A compreensão desse ideograma nos dará a chave para entender o significado oculto em sua representação.

Agora, do ponto de vista figurativo, a Cruz resulta do encontro de uma linha vertical e horizontal. A linha vertical representa a ascensão, enquanto a linha horizontal expressa a sensação de mentir.

O ponto de interseção entre as duas linhas, ao contrário, reproduz a síntese ativa das duas forças, isto é, o “lugar” em que a Quintessência deve ser buscada metaforicamente.

Os sentidos de ascensão e mentira também permanecem na representação do Fogo, do Ar, da Água e da  Terra. Do ponto de vista simbólico, o Fogo e o Ar ascendem, enquanto a Água e a Terra caem.

Ao mesmo tempo, nos ideogramas do Ar e da Terra há uma prisão, que no nível figurativo é dada pelo traço horizontal. Isso nos diz muito sobre o significado que cada um dos elementos naturais tem. Vamos ver porquê.

A hierarquia dos quatro elementos

Quatro Elementos

De acordo com o pensamento mágico, os quatro elementos podem representar energias ativas ou passivas e são subdivididos de acordo com uma ordem hierárquica precisa.

Como seu ideograma sugere, FogoAr  são elementos ativos. Eles expressam energias sutis de ordem espiritual e são considerados superiores aos outros dois: Água e Terra que, por outro lado, são elementos passivos e inferiores e que têm a capacidade de abaixar os outros dois.

O ELEMENTO DE FOGO

O fogo é o elemento hierarquicamente mais importante. Em Alquimia, representa uma força ativa, masculina e criativa e está relacionada ao Sol e ao Ouro.

É um agente vivificante e purificador, cuja ascensão é sinônimo de virilidade e estabilidade. Mas o fogo também é o principal arquiteto de todas as metamorfoses que ocorrem em um nível físico e espiritual.

O ELEMENTO DO AR

Como o fogo, o ar é um elemento masculino. No entanto, é simbolicamente atravessado por um traço horizontal que expressa uma parada do movimento ascendente Fogo.

Nesse sentido, representa o ponto de encontro entre o físico e o metafísico. Além disso, do ponto de vista hermético, o ar está associado ao mercúrio andrógino, emblema do conhecimento e do intelecto.

O ELEMENTO DE ÁGUA

A água é um elemento do sexo feminino e passiva que representa o outono e a descida. Do ponto de vista alquímico, a água está associada ao Mercúrio e à Lua originais.

É o elemento que precipita quando Deus disse que a luz é feita “e a luz era”. É o caos primordial e a contingência, isto é, uma força indiferente ao bem e ao mal que foge ao controle da vontade humana.

O ELEMENTO DA TERRA

Em ordem hierárquica, a Terra  é o último dos quatro elementos. O traço horizontal que cruza o ideograma representa uma parada do movimento descendente da Água.

No homem, este elemento é o que determina a visão corporal do mundo, isto é, a percepção sensorial. Nesta perspectiva, a Terra é o único elemento que pode realmente ser conhecido pelo homem comum.

 

Veja também:

Fonte Consultada:

Sobre a autora

Lidiane Franqui

O que eu poderia dizer se não que sou uma estudiosa dos assuntos ocultos? Apaixonada pelo místico, pelo oculto e pelo que há além da materialidade, eu sigo estudando, buscando e tirando os véus que estavam cobrindo meus olhos. Quanto mais estudo, mas percebo que há muito o que aprender. Parafraseando o ilustre Sócrates, quanto mais estudo, mas percebo que nada sei. Espero que com minhas anotações neste blog, eu possa auxiliar quem quer que chegue por aqui.

Deixe um comentário