O que significa “Solve et Coagula”?

O que significa “Solve et Coagula”?

Hoje vou falar um pouco sobre um assunto muito conhecido por quem se interessa por hermetismo e em especial por Alquimia: solve et coagula.

 

Em latim, a expressão se refere a um princípio alquímico que quer dizer “desmontar e unir”. Sabemos que a Alquimia traz como principal finalidade a transformação de chumbo em ouro. 

 

Esse é o objetivo popularmente conhecido, mas a Alquimia trata de todo processo de transmutação, seja ele no reino mineral (ou metálico), vegetal ou animal. Ela visa a elevação de um estado mais grosseiro para um mais sutil.

 

Solve e coagula é o princípio básico das transformações alquímicas, inclusive da Alquimia Interior. No caso da matéria, utiliza-se o fogo exterior para os processos de transmutação. Quando a transmutação é do próprio operador, usa-se o fogo interior. 

 

Essa diferenciação é importante para mostrar que o solve et coagula está presente tanto na Alquimia da matéria grosseira quando da “Alma grosseira”. O processo é o mesmo no laboratório interior e exterior. 

 

Por isso, a Alquimia deve ser analisada relacionando o chumbo com a alma profana, com a ignorância; e o ouro com tudo o que é sagrado, com a alma pura. 

 

Solve e coagula são duas fases do processo alquímico, em que solve refere-se basicamente a dissolver. É importante compreender que entre solve e coagula existe a purificação

Solve et coagula

Solver (ou dissolver) compreende a primeira fase do processo, e nele o alquimista separa a matéria em três partes ― ou substâncias ― que são: Mercúrio (espírito), Enxofre (anima ou alma) e Sal (corpo físico). Cada uma dessas partes é submetida à purificação, ou seja, à elevação de suas vibrações.

 

Em outras palavras, podemos dizer que solve remete à desmontar, à desconstruir todos os preconceitos, maus costumes, vícios e tudo o mais que fazemos e nos deixa densos.

 

Uma vez que ocorre a purificação, é feita a reunião das três partes, já livres de tudo o que é grosseiro. Esse é o coagula, a segunda fase do processo alquímico, quando as partes se unem novamente para formar um só corpo, mas em estado superior. 

 

Filosoficamente, é quando juntamos tudo o que é bom para nós, tudo aquilo que contribui para nossa elevação. Refere-se à construção dos nossos conhecimentos a partir dos vestígios de sabedoria que restaram do processo de desmonte, ou seja, do “solve”.

 

Devemos compreender que o “solve et coagula”, seja ele externo ou interno, não ocorre de um dia para o outro. Mas, devemos aplicá-lo todos os dias, buscando sempre nossa melhoria. Devemos nos polir diariamente com o objetivo de transmutar a nós mesmos, com o objetivo de chegar o mais próximo da perfeição.

 

Esse é o verdadeiro processo alquímico interior: o desmonte da nossa ignorância para a purificação e depois o remonte rumo à verdadeira sabedoria. Que no laboratório da vida sejamos iguais ao operador que no laboratório de alquimia deseja transmutar o mais vil metal no metal mais valioso.

Parafraseando Paracelso, nosso trabalho começa onde termina o da natureza. 

 

Sobre o autor | Website

O que eu poderia dizer se não que sou uma estudiosa dos assuntos ocultos? Apaixonada pelo místico, pelo oculto e pelo que há além da materialidade, eu sigo estudando, buscando e tirando os véus que estavam cobrindo meus olhos. Quanto mais estudo, mas percebo que há muito o que aprender. Parafraseando o ilustre Sócrates, quanto mais estudo, mas percebo que nada sei. Espero que com minhas anotações neste blog, eu possa auxiliar quem quer que chegue por aqui.

Entre para nossa lista VIP e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

100% livre de spam.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!