Acompanhe nossas atualizações!

Acompanhe nossas atualizações!

Inscreva-se na nossa lista VIP e seja informado sobre novos artigos!

Não enviamos spam. Seu e-mail está 100% seguro!

Nada é permanente, exceto a mudança

Nada é permanente, exceto a mudança

Nada é permanente, só a mudança. A vida é um vai-e-vem de acontecimentos. O que hoje é de um jeito, amanhã pode se apresentar de outro. Os relacionamentos que hoje são firmes, amanhã podem se desfazer. A planta que cresce vigorosa, no dia seguinte — ou na semana seguinte —, pode murchar e morrer.

Nada, exceto a mudança, é permanente. Nós nascemos com um futuro certo, que é a morte. Isso pode parecer triste, mas não é se estivermos conscientes do que a impermanência significa. Quando entendermos finalmente a dança da vida e a beleza disso, poderemos tocar no que chamamos de felicidade.

A permanência é a origem do sofrimento

Para todo lugar e situação que você olha, a permanência surge como meio de sofrimento. O medo da perda está presente o tempo todo, impedindo que a gente viva o momento presente. Você começa a ter medo de tudo e, com isso, não vivencia o que as pessoas/coisas/situações têm a oferecer.

A partir do momento em que recebemos a vida com o olhar da permanência, do fixo e imutável, condenamo-nos a sofrer. E isso é óbvio! Como ser feliz indo contra a maré? Isso mesmo! Querer que nada mude é andar na contramão, pois tudo é mutável, exceto a mudança.

Como se sentir bem se temos ideia fixa a respeito de tudo? Como viver assim se de uma hora para a outra tudo pode se mostrar diferente?

É preciso relaxar, soltar o apego e resignar-se. Nenhum de nós quer perder nada, mas às vezes, não estamos perdemos. Estamos apenas vendo o movimento da vida.

Quem está com você hoje pode amanhã encontrar um novo caminho. E assim, você também. Se você está em um emprego hoje, amanhã poderá estar em outro. Se hoje faz um belo sol, amanhã pode estar chovendo. E daí? A vida é assim e não se habituar a isso é viver condenado a sofrer.

Olhe a sua volta. A vida é feita de ciclos e isso pode ser muito bom. Uma existência fixa, em que nada muda seria no mínimo tediosa. Basta que saibamos lançar mão do apego.

Tags: |

Sobre o Autor

Lidiane Franqui
Lidiane Franqui

Eu tenho uma missão e quero cumpri-la com amor e paciência. Cada texto ou reflexão minha é parte dessa missão e eu vos convido a fazer parte dela.

2 Comentários


Deixe uma resposta