Gravura Tábua de Esmeralda, de Matthieu Merian

Gravura Tábua de Esmeralda, de Matthieu Merian

Este belo trabalho mostra em detalhes dramáticos o nascimento da Pedra Filosofal, quando ela sai do céu e entra na terra.

A imagem tornou-se imediatamente uma das dezenas de mandalas simbólicas usadas pelos alquimistas para meditação, e muitos alquimistas medievais ficaram olhando o desenho por horas tentando absorver seu poder.

Devido à importância desse trabalho em particular, vamos examiná-lo em detalhes, para que os interessados ​​em usá-lo para meditação tenham uma compreensão básica dos muitos níveis de significado que ele contém.

O Acima e o Abaixo

A primeira coisa que impressiona na imagem é sua divisão óbvia entre “o Acima e o Abaixo“, e a linha nítida entre os dois indica que esses são reinos muito diferentes.

Acima

Acima, o Sol maior da Mente Única, cujos raios abrangem todo o universo, ergue-se atrás do Sol do Céu ou do que Hermes chamou de “Mente do Criador”.

Esse Sol intermediário é dominado por vinte e nove querubins ou forças arquetípicas. Na numerologia, o número vinte e nove é equivalente ao número dois, significando assim a divisão embrionária da Mente para criar a Mente do Criador, que carrega na criação primária através dos “pensamentos cristalizados de Deus” ¾ os arquétipos. 

As três presenças solares flutuando entre os anjos representam os três elementos celestiais expressos como a Santíssima Trindade: enxofre (o Tetragrama de Jeová, o Pai no centro), Mercúrio (o Filho, o Cordeiro sacrificial de Deus) e Sal (a pomba ou Espírito Santo escondido na matéria). 

Nos termos genéricos da Tábua de Esmeralda, essa trindade é composta da Mente Única, do Processo de Transformação e da Única Coisa.

Gravura Tábua de Esmeralda

A Tábua de Esmeralda – Matthieu Merian

Abaixo

O Abaixo está dividido no lado esquerdo diurno (solar) do desenho e no lado direito noturno (lunar). No final da página, encontram-se os Quatro Elementos purificados, selados dentro de bolas de vidro, transportadas por dois pássaros diferentes.

À esquerda, Fogo e Ar estão sob as asas estendidas da Fênix, uma ave do mito e da imaginação que subiu das cinzas do fogo para renascer, dando-lhe domínio sobre as esferas de Fogo e Ar.

À direita, Água e Terra são mantidas nas asas de um pássaro real, o Aquilla ou Eagle, que tem domínio sobre as esferas da Água e da Terra.

Assim, os elementos ascendentes do Fogo e do Ar representam processos espirituais ou psicológicos, enquanto os elementos que afundam na Água e na Terra são processos físicos ou corporais.

Lado Esquerdo Solar – Calcinação

O lado esquerdo ou solar da gravura representa o processo de calcinação. No canto inferior esquerdo, há um leão em pé como um homem. Conhecido pelos alquimistas como o Leão Vermelho, ele simboliza a energia ígnea e masculina da Obra.

Atrás dele, é luz do dia e árvores e uma vila podem ser vista. O leão está usando um colar de estrelas e representa as forças cósmicas que emanam da constelação de Leão, que figurava tão proeminentemente na religião egípcia e é a inspiração para a Esfinge, que simboliza a Era astrológica de Leão.

O pé direito de Leão repousa sobre um sol de sete raios, enquanto o outro pé é apoiado pela asa da Fênix. O leão está apresentando um homem nu com um Sol de treze raios, símbolo dos Mistérios Herméticos, que foi revelado à humanidade há mais de 10.000 anos.

O homem é o Sol, quem representa o componente masculino da natureza e personalidade. Os órgãos genitais de Sol são cobertos por um pequeno sol, assim como o seio direito, embora o outro seio seja coberto pela lua crescente, que é a semente do feminino em todos os homens.

Seu pé direito está na asa da Fênix e seu pé esquerdo repousa sobre um Sol de sete raios, idêntico àquele em que Lo leão está. Esses sete raios são os sete passos da iluminação que compõem a Fórmula Esmeralda.

Sol está acorrentado pela mão esquerda às Nuvens do Desconhecimento, que nos impedem de experimentar o esplendor Acima.

Lado Direito Lunar – Dissolução

O lado direito ou lunar da gravura representa o processo de dissolução. No canto inferior direito, pode ser visto um veado de pé como um homem. Conhecido pelos alquimistas como o “Veado Fugitivo“, ele é um símbolo da energia volátil, feminina e aquosa da Obra. 

Ele tem uma prateleira de chifres de doze pontas, e cada chifre tem uma estrela sobre ela, representando as influências do zodíaco. 

Na mitologia, este é Acteon, o caçador mítico que se transformou em um veado por admirar Artemis nua enquanto ela estava tomando banho em um lago. 

Ártemis era a deusa grega da natureza e da fertilidade que mais tarde foi adorada pelos romanos como Diana. Nas duas encarnações, a deusa representava os profundos poderes criativos e curativos da mente e da natureza subconscientes. 

O pé esquerdo do veado está plantado firmemente na terra, enquanto seu pé direito repousa sobre a asa da águia. Na mão esquerda está um trevo de três folhas, representando as três forças celestes expressas na natureza, e na outra mão está a Lua, que ele está passando para uma mulher nua.

Conhecida como Luna, a mulher nua é o componente feminino da personalidade. Seus órgãos genitais estão cobertos por uma lua crescente, assim como o seio esquerdo, mas o seio direito é um pequeno sol de sete raios, a força intuitiva ativa dentro mulheres, a partir do qual flui uma chuva de estrelas (a Via Láctea), que é imediatamente aterrado e absorvida diretamente na terra. 

Luna fica sobre o rio Hermético, com um pé na água e outro na asa direita da águia. Atrás dela, há uma cena noturna em que os contornos de árvores, vales e montanhas podem ser discernidos. 

Na mão esquerda, ela segura um cacho de uvas, um símbolo de sacrifício, e a mão direita está acorrentada às Nuvens do Desconhecimento.

No centro do Abaixo, um alquimista hermafrodita sustenta dois machados estrelados, que representam a faculdade superior do discernimento e os poderes da Separação.

O alquimista cortou as correntes do não-conhecimento que ligavam Sol e Luna à sua dualidade e equilibrou as poderosas forças de sua atração sexual.

Ele viu através das Nuvens do Desconhecimento, conseguiu se libertar do instinto e percebe as poderosas influências dos poderes arquetípicos.

O alquimista capacitado é simbólico de uma conjunção bem-sucedida das forças opostas à esquerda e à direita. Metade do seu vestido é preto com estrelas brancas e a outra metade é branca com estrelas negras.

Em outras palavras, cada lado de sua personalidade contém a semente do seu oposto; portanto, ele não negou nem destruiu os poderes convincentes dos opostos, somente os integrou ao seu próprio ser.

O alquimista está localizado ao lado de uma montanha e fica sobre dois leões que têm uma única cabeça. O leão da esquerda é o leão vermelho e o da direita é o leão verde.

Como mostrado pelo fogo e pela água emergindo da montanha atrás de suas caudas, esses dois leões representam o enxofre e o mercúrio, o espírito e a alma do alquimista, que se unem para produzir o fermento, o precursor da pedra, simbolizado pela substância espessa que flui do boca comum dos animais.

Assim, o próprio alquimista representa a união de Fogo e Água. Essa fusão de racional com irracional, razão e sentimento, masculino e feminino, é uma parte necessária de qualquer ato de criação.

Diretamente atrás do alquimista, há três fileiras de plantas que representam as sete operações da alquimia realizadas três vezes com perfeição.

As duas primeiras fileiras contêm seis arbustos que culminam na Árvore de Ouro, no cume da montanha. Cada bucha é marcada com sinais alquímicos para compostos metálicos.

Atrás desses arbustos, há um semicírculo de árvores, cada um marcado com um símbolo para um dos metais puros. No topo da montanha, a parte Nuvens do Desconhecimento e os poderes Acima tocam o topo da árvore com o sinal de ouro.

Este é o ato da fermentação, a penetração da essência purificada pelas forças do alto. Uma linha traçada do Fermento Abaixo (que flui da boca comum dos dois leões) para o nome de Deus Acima divide a gravura ao meio e corta o alquimista pelo meio de seu ser.

Essa linha, que é o Eixo Cósmico ou eixo vertical da realidade, conecta-o através da Árvore de Ouro e da Pedra central diretamente a Deus.

Viaja pelos três reinos, começando no Reino Físico, atravessando os processos psicológicos do Reino da Alma e alcançando o ponto mais alto do Reino do Espírito.

A primeira área encontrada quando o alquimista viaja ao longo desse eixo vertical é um Anel de Estrelas, no qual predominam sete estrelas maiores.

Esse anel estelar apresenta as sete operações alquímicas como princípios cósmicos disponíveis para espécies sencientes em todos os lugares.

É seguido por um semicírculo de cinco cenas que levam à Quintessência. Esse registro de realizações alquímicas é conhecido como o Anel dos Planetas, e cada cena mostra o pássaro do espírito associado a um dos cinco corpos planetários.

Da esquerda para a direita: o Corvo Negro da Calcinação (Saturno), o Ganso Branco da Dissolução (Júpiter), o Galo da Conjunção (Terra), o Pelicano da Destilação (Vênus) e, finalmente, a Fênix da Coagulação (Sol).

Acima do Anel das Estrelas e do Anel dos Planetas, e participando de todos os reinos, há uma esfera central composta de sete camadas concêntricas.

Essas camadas simbolizam cada um dos Sete Passos da Transformação que devem ser alcançados ou removidos para alcançar a Pedra, que é a esfera mais interna onde um triângulo é inscrito.

Dentro da primeira esfera estão os doze signos do zodíaco. Estes são arquétipos pessoais e cármicos da personalidade que são queimados pelos intensos incêndios da existência na operação que os alquimistas denominaram Calcinação.

A segunda esfera está inscrita com três frases em latim que significam “Ano dos Ventos“, “Ano do Sol” e “Ano das Estrelas“. Esses são os arquétipos trans pessoais resolvidos e liberados durante o longo processo de Dissolução.

A terceira esfera concêntrica dentro da bola em camadas no centro desta gravura descreve os três tipos de mercúrio (mercúrio comum, mercúrio corporal e mercúrio filosófico).

Essas são as essências da alma liberadas nas duas operações anteriores e salvas durante o processo de filtragem da Separação.

A quarta esfera nomeia os três tipos de enxofre (enxofre combustível, enxofre fixo e enxofre volátil ou etéreo). Essas forças são as paixões espirituais motrizes da Conjunção, nas quais as partes opostas de nossas personalidades, o Mercúrio e o enxofre de nosso ser, estão unidos no objetivo comum de transformação.

A quinta esfera interna refere-se à Quintessência, a matéria recém-formada ou o Sal revelado durante a fermentação. Inscritos nesta esfera estão os três tipos de sal (sal elementar, sal da terra, e o sal central).

A próxima e a sexta esfera contêm uma mensagem escrita em latim que adverte: “Você deve encontrar os quatro graus de Fogo da Obra.

Como vimos, esses quatro graus se referem aos vários estados de consciência que devem ser purificados e unidos durante Destilação, para que não contaminem a Obra em seu estágio final.

A sétima e mais interna esfera contém um triângulo central de fogo apontando para cima, que representa o estado sublimado da consciência destilada que está congelada em cima.

Dentro desse triângulo é desenhado o símbolo do exaltado Mercúrio, a Mônada ou a Única Coisa aperfeiçoada, que é a Pedra.

No meio do símbolo há um único ponto, o centro de toda a gravura e em torno do qual o céu e a terra giram. É o ponto de convergência em nossas mentes e personalidades onde todas as coisas se juntam como uma.

À esquerda do triângulo maior, há um triângulo menor apontando para baixo, representando Água ou Mercúrio; à direita, há um pequeno triângulo apontando para cima, representando fogo ou enxofre. Abaixo do triângulo central está a estrela de Davi, que simboliza o sal, a união de fogo e água.

Esta gravura maravilhosa é um resumo de como o Mercúrio de nossas almas é exposto e purificado na Obra. Unido ao enxofre de nossos espíritos, ele sofre coagulação para formar o sal dos filósofos, o estado de consciência imortal, permanentemente iluminado e totalmente encarnado, conhecido como a Pedra. Como o alvo concêntrico que forma no centro desta gravura, este é o nosso ser aperfeiçoado e o lar definitivo.

Por:  Dennis William Hauck

 

Leia também:

Sobre o autor | Website

O que eu poderia dizer se não que sou uma estudiosa dos assuntos ocultos? Apaixonada pelo místico, pelo oculto e pelo que há além da materialidade, eu sigo estudando, buscando e tirando os véus que estavam cobrindo meus olhos. Quanto mais estudo, mas percebo que há muito o que aprender. Parafraseando o ilustre Sócrates, quanto mais estudo, mas percebo que nada sei. Espero que com minhas anotações neste blog, eu possa auxiliar quem quer que chegue por aqui.

Entre para nossa lista VIP e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

100% livre de spam.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!