Acompanhe nossas atualizações!

Acompanhe nossas atualizações!

Inscreva-se na nossa lista VIP e seja informado sobre novos artigos!

Não enviamos spam. Seu e-mail está 100% seguro!

Você sabe o que é a Engenharia do Consentimento? Isso pode interessar você!

Você sabe o que é a Engenharia do Consentimento? Isso pode interessar você!

Faz parte do nosso processo de autoconhecimento — ou de despertar, como gosto de dizer — questionar o modelo de vida em que vivemos. Isso é fundamental, uma vez que nossa sociedade está longe de ser um bom lugar para se viver.

Nesse processo, precisamos ir fundo na busca por respostas. Quando estive pela primeira vez diante do assunto “Engenharia do Consentimento” comecei a entender porque certas coisas acontecem desde muito tempo e porque nosso modelo social é precário, escravocrata e excludente.

Mas, afinal, o que é essa tal Engenharia do Consentimento?

Resumindo, podemos dizer que se refere às técnicas empregadas por um pequeno grupo — que detêm o poder — para manipular uma massa. Você deve agora mesmo está pensando: “Ah, Lidiane, mas isso é coisa de gente que vê teoria da conspiração em tudo!” Não é bem assim.

A respeito do assunto, Hélio Couto foi bastante explicativo ao dizer que uma massa controlada pela Engenharia do Consentimento:

  • Distrai-se continuamente com coisas que não acrescentam nada para a sua evolução;
  • Coloca o foco nos problemas;
  • Acha que o futuro será melhor sem fazer nada para isso se concretizar;
  • Adia aquilo que é indispensável para a sua evolução;
  • Evita crescer e ser um adulto maduro e responsável;
  • Separa a parte emocional da racional;
  • Está sempre se sentindo dividido;
  • Aceita a ignorância e a mediocridade como normais;
  • Não acredita que pode mudar de vida;
  • Recusa-se a aceitar que podemos mudar nossa realidade.

Esses são apenas alguns exemplos dos comportamentos de uma massa manipulada.

Porque essas pessoas querem manipular a massa?

O que elas ganham com isso? Veja bem:

Quanto mais violência, mais medo, quanto mais medo, mais artifícios de segurança privada as pessoas e empresas consomem e mais as empresas de seguro faturam. Quanto mais medo as pessoas sentem, mais elas ficam em casa, quanto mais elas ficam em casa, mais facilmente elas serão condicionadas e quanto mais condicionadas, mais elas assistem TV aberta. Portanto, quanto mais assistem, mais audiência elas têm, mais faturamento, maior controle e maior share de atuação no mercado, O Deus Mercado. Sem contar é lógico no agregado que se consegue captar para as religiões. Simples Assim.” – (Carlos Torres)

É tudo por poder. É uma forma de deixar a massa (você) quietinho, no seu mundo de fantasias, no seu lugar. Enquanto você está preocupado com a novela, com seu programa de fim de tarde, não tem tempo para questionar o que realmente importa, muito menos para aprender algo de real valor.

Isso é usado largamente na política, na economia, pelas escolas e por todos aqueles que não querem ver seus interesses serem prejudicados.

Engenharia do Consentimento

A grande questão é que a grande maioria da população nem tem ideia de que isso acontece. Primeiro porque as técnicas utilizadas são muito sutis. Segundo porque elas já estão tão manipuladas, que o assunto nem chega a ser levado a sério — espero que não seja o seu caso.

Desse modo, com os meios de manipulação em massa empregados, na maioria das vezes o que você pensa, não é o que realmente pensa. É o que eles querem que você pense!

“Pensamentos que foram sutilmente introduzidos na sua mente e você pensa que são seus pensamentos, mas não são. E para que você não pense a respeito, você é bombardeado constantemente pela mídia, de todas as formas possíveis.” (1)

Todos devemos concordar que a educação, a saúde e outras coisas realmente importantes são deixadas de lado e tratadas como medíocres. Enquanto se investe milhões e milhões em distração (pão e circo), a fome ainda mata no nosso Planeta.

E o que nós pensamos sobre isso? nada. “Não tenho tempo para preocupações desse tipo porque está na hora do meu futebol. Ah, não, começou o Big Brother… e a novela? Menina, está imperdível!”

Enquanto vivemos assim, os poderosos continuam acumulando dinheiro e poder e nós, permanecemos sendo tratados como manada.

A verdade é dura, não é mesmo?! Mas é isso: a verdade. Não adianta falar em autoconhecimento e estar alheio ao que realmente acontece no mundo. Chega uma hora que é impossível não rasgar o véu da ignorância.

E pra concluir esta breve análise:

“É a minoria de homens inteligentes responsáveis que devem controlar a tomada de decisões, responsável pela elaboração de políticas e de uma saudável opinião pública através da manufatura do consentimento. O público deve ser colocado em seu lugar, a de espectadores de ação e não de participantes. Os arquitetos do poder devem criar uma força que possa ser sentida, mas não vista. O poder permanecerá forte enquanto permanecer na sombra, exposto a luz do sol começara a evaporar.”

Inibição doentia contra matar ou torturar

Já ouviu falar nisso? Veja a seguir uma explicação bem interessante:

Logo após a guerra do Vietnã, as pessoas em geral, foram acometidas de uma estranha doença: ‘Inibição doentia contra matar ou torturar”. Obviamente que, na ótica do ‘Sistema’ isso era um grande problema.

Havia (e ainda há) muitas guerras na agenda, pois guerras são extremamente lucrativas e repentinamente a população começa a sofrer desse estranho mal. Como fazê-las voltarem à guerra novamente? Como fazê-las encarar guerras, matança, torturas como algo normal? Engenharia do consentimento.

Iniciou-se então, uma série de ‘séries televisivas’ estimulando a violência, colocando os conflitos como algo normal. Houve uma enxurrada de filmes de guerra e nesses filmes geralmente se dava muita ênfase a um herói, um ‘mocinho’ e sua contraparte, o ‘inimigo’. Puro jogo psicológico, apelo emocional.

Foi também o período áureo dos filmes de Far West e Bang Bang. Séries de TV que estimulavam a boa convivência em família e em comunidade, que evidenciavam os mais nobres e profundos valores humanos, a exemplo da série “The Waltons”, foram tiradas do ar de um dia para outro, sem mais nem menos, mesmo sob protestos a nível mundial. Pergunte-se a si mesmo: Por que armas são exibidas de forma tão ostensiva nos cartazes de anúncio de filmes? (2)

Para finalizar, recomendo a Palestra do Hélio Couto e da Mabel Dias “Rasgando o Véu”. Ela pode ser encontrada no site www.cursosheliocouto.com.br, na pasta de Palestras Gratuitas chamada “Caminho das Palestras.

E você, já ouviu falar sobre esse assunto? Compartilhe com a gente sua opinião!

 

Crédito das imagens: Google

Tags: |

Sobre o Autor

Lidiane Franqui
Lidiane Franqui

Eu tenho uma missão e quero cumpri-la com amor e paciência. Cada texto ou reflexão minha é parte dessa missão e eu vos convido a fazer parte dela.

3 Comentários

    • Olá Eduardo!

      Que incentivo receber seu comentário! É verdade que esses assuntos não são s preferidos da maioria. Mas, assim como você, estou aí para aqueles poucos que querem repensar um pouco o modo como vivemos. Grande abraço e obrigada! 🙂


Deixe uma resposta