Lidiane Franqui

A mente tranquila recebe a resposta

Como disse Joseph Murphy, a mente tranquila recebe a resposta. Mas, o que seria uma mente tranquila. Isso me chamou bastante atenção. Eis o grande desafio de muitos de nós: alcançar o estado de uma mente tranquila.

Então, decidi meditar nessa frase. Pedi ao meu subconsciente que me trouxesse a resposta – sim, porque todas as respostas para todas as nossas perguntas estão lá, vêm da Orientação Interior. E eis que estou aqui, conversando com você sobre “o que seria ter uma mente tranquila”.

Na verdade, não faço ideia do que vou falar a seguir. Estou totalmente entregue à inspiração que a Orientação Divina traz do meu interior. Eu sou, neste momento, a prova de que as respostas estão aqui dentro – e não fora.

Vivemos constantemente alimentando nossa mente de coisas. Pensamos o tempo todo e não aprendemos, em nenhum tempo, a silenciar a mente e fazer uma limpeza das coisas que não agregam valor para nossas vidas.

Agregamos traumas, lembranças, críticas, diálogos intermináveis… algumas pessoas não conseguem dormir porque o vozerio simplesmente não para. Vejam bem: nossa mente precisa estar tranquila para ouvir a voz do Todo, ou de Deus, como assim preferir.

Se eu digo a vocês que Deus está dentro de cada um de nós, e se comunica conosco por meio da intuição, da inspiração… certamente teremos dificuldade de aceitar e comprovar isso com uma mente poluída, que não para, que não descansa.

É fundamental que a gente tire o foco da loucura mental em que nos colocamos e pratique isso. É fundamental que diariamente tiremos pelo menos 10 minutos para silenciar a mente. No início será quase impossível. A mente vai reagir, vai querer chamar atenção.

Ela vai levar a gente a escutar os lamentos dela, as críticas, as especulações, as reclamações… Nesse momento, precisamos tirar o foco dela e perceber que ela é ela e nós somos nós. É nessa hora que despertamos para algo incrível: nós não somos nossa mente. Talvez você nem imagine, mas isso é LIBERTADOR.

Quando temos essa percepção, vemos que podemos ser os observadores da nossa mente. E como observador, vamos deixar ela falar, falar, falar, até que nosso foco mude e se concentre em outra coisa (que pode ser o movimento da nossa respiração, um alvo, uma música…).

Quando nos conscientizamos que não somos nossa mente, podemos ignorá-la. Isso é fundamental. Quando silenciamos nossa atenção para o que a mente fala, nos afastamos dela. Ela continua lá… é a mesma de sempre. Nós é que nos afastamos.

Afastamos da mente e nos aproximamos do nosso Eu Interior, da nossa Centelha Divina, do nosso Eu Sou. E aí, nesse processo de “mente limpa” (que na verdade é nosso foco distante dela), conseguimos estar atentos e escutar a voz do nosso interior, por meio da intuição.

É aí que acessamos as respostas. Com a mente limpa, com os olhos interiores e ouvidos abertos, retiramos os obstáculos que nos impedem de estar frente a frente com Deus, com nossa Inteligência Universal.

Sobre Mim | Website

Eu tenho uma missão e quero cumpri-la com amor e paciência. Cada texto ou reflexão minha é parte dessa missão e eu vos convido a fazer parte dela.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.

Este site usa cookies e outras tecnologias similares para lembrar e entender como você usa nosso site, analisar seu uso de nossos produtos e serviços, ajudar com nossos esforços de marketing e fornecer conteúdo de terceiros. Leia mais em Política de Cookies e Privacidade.